A Delicadeza do Amor

“A Delicadeza do Amor”- “La Délicatesse” França, 2011

Direção: David e Stéphane Foenkinos

Uma charmosa ruazinha em Paris. Vemos, de costas, uma mocinha de rabo de cavalo, vestindo um casaco azul marinho com capuz. Anda com um passo leve e parece contente consigo mesma. Nem mesmo precisamos ver seu rosto esboçando um sorriso e os olhos sonhadores sobre a franja, para saber que ela está apaixonada.

Entra em um bistrô. Pega o menú.

Ao lado vemos um rapaz bonito que a observa.

Ouvimos os pensamentos dele:

“Se ela pedir um suco de abricô,vou até a mesa dela.”

Chega o garçom:

“- Por favor, um café”, diz ela.

E, depois de uma pausa:

“-Não. Um suco de abricô!”

Ele corre para ela e os dois saem abraçados.

“- Será que todos os casais visitam o lugar onde se conheceram?” pergunta ela.

“- Claro! Tem alguns que até acendem uma velinha!” responde rindo o rapaz.

Nathalie e François. Estão apaixonados e são jovens.

“- Você quer casar comigo?”

Ela olha para ele, agradávelmente surpreendida.

“- Eu deveria ter sido mais romântico, sabe, um jantar, velas, alianças…”

Dizendo isso, ele se ajoelha aos pés dela, beija sua mão e coloca um anel em seu dedo.

Muitas risadas porque é o anel do chaveiro dele.

“-Você vai ver! Vai ser o máximo ser minha mulher!”

A câmara gira em torno aos dois e a sequência do pedido de casamento se transforma. Os dois estão de branco. Noiva e noivo. Beijos.

Fotos polaroid, nas mais diversas poses dos dois, enchem a tela: esquiando, jantando, dançando, sempre sorrindo felizes para a câmara.

O primeiro amor de Nathalie (Audrey Tautou) é François (Pio Marmai). Ele é um príncipe encantado, o realizador dos sonhos dela, o que lê seus pensamentos, o belo e encantador François (Pio Marmai) .

Costuma ser assim todo o primeiro grande amor da juventude. É aquele amor idealizado, que não leva em conta o que o ser amado é, mas aquilo que gostaríamos que ele fosse. Amamos uma continuação romântica de nós mesmos. No fundo, amamos o amor.

Geralmente esse amor idealizado dura pouco e caímos na real.

Para Nathalie e François entretanto, não houve tempo para isso.

E ela se transforma perante nossos olhos. Corpo tenso, rosto fechado, roupas escuras e descombinadas, olhar vazio.

O luto pelo amor que não se viveu plenamente é sempre muito mais difícil do que chorar pelo amor que acabou.

Mas ela é jovem e três anos depois aparece Markus (François Damien), de quem ela tenta fugir.

“A Delicadeza do Amor”, dirigido pelos irmãos Foenkinos, fala do amor sem pudor e com simpatia.

O filme se baseou no livro “A Delicadeza” de David Foenkinos, que também é o roteirista.

E a gente sai leve do cinema, levando na memória o sorriso novo no rosto da atriz talentosa que é Audrey Tautou.

Ah! O amor…

 

 

 

 

Este post tem 7 Comentários

  1. lucinha disse:

    Eleonora é muito gostoso ler seus comentários , e através deles ver coisas sobre nós mesmos .

    • Eleonora Rosset disse:

      Lucinha querida,
      Vc fez um comentário mt adequado! O filme é especialmente bom para a gente se identificar com a protagonista nos diferentes momentos de sua vida.
      E como o tema é o amor,o filme vai acompanhando as idades e o tipo de amor que a gente tem em cada época. Assim, mocinha ela vive o amor romântico, idealizado, que qdo acaba, a gente chora pq acha que nunca mais vai amar na vida…Depois vem o amor mais maduro que deixa a gente ver como o outro é, de verdade,e isso não impede que o amor aconteça.
      Na verdade podemos viver vários amores românticos e depois evoluir. E às vêzes há recaidas… Mas tudo isso é próprio do amor!
      Bjs

  2. Um filme divertido , gostoso de assistir e com uma bela mensagem de amor . Adorei o sueco que acaba dando vida nova a uma bela francesinha que ja estava desacreditando no amor !! E encontra em um homem teoricamente feio , um companheiro perfeito para enfim ver que o amor esta sim vivo e próximo a qualquer pessoa .
    Vale a pena assistir !!

    • Eleonora Rosset disse:

      Marcelo querido,
      É isso mesmo! Como o primeiro tinha sido um principe, ela acha que beija o sapo e ele vira principe também! Adorei essa sacada do roteiro!
      Mas sem principe, ela percebe que existem outros quesitos no moço beijado!
      E que linda cena final no jardim!
      Bjs

  3. Luiz Roberto de Paula Dias disse:

    Eleonora, esse me parece ser um filme delicado e agrdável de se ver, pela sua crítica, fico tentado a passar bons momentos compartilhando as várias faces do amor e também uma boa diversão, assim que assiti-lo posto o meu comentário, obrigado, bjs

  4. Luiz Roberto de Paula Dias disse:

    Eleonora, acabei de assistir ao mesmo, gostei imensamente do filme e pricipalmente da excelente Audrey Tautou, que está encantadora na trama; realemente há muita delicadeza e com cenas por demais engraçadas etambém um pouco da bela paisagem francesa.
    Passei ótimas duas horas de boa diversão e enlevo, mais uma vez obrigado pela sua indicação, bjs

  5. heddy dayan disse:

    quero ver esse também, muito delicado esse teu post

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!