A ilha do medo

“A ilha do medo” - "Shutter Island", Estados Unidos, 2010

Quer ver um filme de suspense, um “thriller” inteligente?
Assista “A Ilha do Medo” de Martin Scorcese. Sem medo de errar.
É uma obra prima na linha dos melhores Hitchcock, com direito até a uma escada em caracol como em “Vertigo – Um corpo que cai”, ou Brian De Palma de “Carrie, a estranha”, ou seja, os donos do gênero.
“Ilha do medo”, vindo do mestre Martin Scorcese, que alguns consideram o maior cineasta vivo, é um presente para quem gosta de bom cinema.
Surpreenda-se também com o talento do ator Leonardo Di Caprio numa interpretação soberba. É o quarto filme em que ele trabalha com o diretor (os outros três foram “Gangues de New York”, 2002, “O aviador”, 2004 e “Os infiltrados”, 2006, que deu o único Oscar de direção para Scorcese).
Em Berlim, quando o filme foi apresentado no Festival deste ano, Leonardo Di Caprio assim falou sobre o papel dele em “Ilha do medo”:
“É um personagem que se fragiliza e isso é irresistível para um ator. O que me atrai é a possibilidade de sondar a dor humana e de me expressar em diferentes níveis, inusitados para o público e para mim”.
O filme começa com uma tela branca e pouco a pouco vemos surgir um barco saindo de um espesso nevoeiro em um mar revolto. O detetive Teddy Marshall passa mal. Seu parceiro o ajuda.
Esse é o tom do filme que já nos assalta com apreensão. Desde o início sabemos que tudo vai ser pesado, encoberto, intrigante.
“Ilha do medo” é magistralmente filmado nas Boston Harbor Islands, um cenário sombrio e assustador. Grandes ondas se quebram sobre penhascos. Um manicômio judiciário é o único prédio da ilha que ostenta um misterioso farol.
Estamos em 1954. Dois agentes federais, Di Caprio e Mark Ruffalo, descem do barco e são recebidos por guardas armados com fuzis. Vieram investigar o desaparecimento incompreensível de uma mulher internada no manicômio de segurança máxima. Seu crime nefando fora o de matar os próprios filhos.
Ben Kingsley, que incarna o diretor do manicômio, é um dos psiquiatras que vai fazer as honras da casa à dupla detetivesca. O outro médico é interpretado por um ator que Ingmar Bergman adorava, Max Von Sidow.
Baseado no livro “Paciente 67” de Dennis Lehane, o roteiro, juntamente com a edição do filme, criam o clima de descobertas assustadoras que vão contando uma história sob o prisma do protagonista, o detetive de Di Caprio, ex-combatente da Segunda Guerra Mundial, que testemunhou a libertação dos campos de concentração e que ficou marcado pelo horror e impotência do ser humano frente ao mal que vem do seu semelhante.
A investigação sobre o desaparecimento da interna filicida vai trazer à tona outros mistérios e tremendas inquietações. O detetive Teddy Marshall vai afundando aos poucos nesse lugar pantanoso.
E o espectador começa a partilhar de um obscuro conhecimento que se materializa em “flashes” que vão aumentando em tempo e se transformando em cenas no decorrer do filme. São pesadelos, delírios, alucinações?
Martin Scorcese mergulha fundo no universo da natureza humana que abriga em seu canto mais escuro o mal e a loucura. Como é difícil transitar nas fronteiras do ser…
Quando esse tema é desenvolvido no cinema por um diretor como Scorcese, que não se limita a querer meter medo nas pessoas, o resultado é assombroso.
Aqui os monstros crescem na sombra da alma humana. E assustam porque nos assaltam de dentro de nós mesmos.
A uma certa altura, o psiquiatra Crawley ensina que a palavra “trauma” vem do grego e significa “ferida” e que estas podem criar monstros que devemos deter dentro de nós.
A música é um elemento que pontua o filme e que faz crescer a emoção: o som pungente do violino da peça de Mahler, intervenções de uma orquestra com cordas lancinantes de John Cage, sons que nos remetem a gritos…
Vá ver esse momento privilegiado do cinema e aproveite a chance de refletir sobre suas próprias fragilidades.

Este post tem 0 Comentários

  1. Sylvia Manzano, disse:

    Num mundo onde – na minha humilde opinião – ninguém quer ver as feridas internas e colocar tudo do lado de fora – que não deixa de ser uma piada, às vezes, porque alguém pode até estar dormindo com o inimigo, mas oh, a sagrada família nos ampara, nos apoia, é um porto seguro – é bom saber que Scorcese nos enfia goela abaixo, nossos medos mais recônditos ou como diz tão a eleonora: Aqui os monstros crescem na sombra da alma humana. “E assustam porque nos assaltam de dentro de nós mesmos.”Conclusão: vou me munir de coragem e vou ver esse filme e descobrir se, afinal, a mulher que matou seus próprios filhos foi encontrada.
    Por puro preconceito, eu não imaginaria que Leonardo Di Caprio diria uma coisa tão bonita dessas:
    “É um personagem que se fragiliza e isso é irresistível para um ator. O que me atrai é a possibilidade de sondar a dor humana e de me expressar em diferentes níveis, inusitados para o público e para mim”.
    Essa possibilidade de sondar a dor humana, numa época onde se foge da dor, como o diabo foge da cruz, é digna de louvor.
    Não sei se tem a ver, mas acho que tem: hoje eu estava num ônibus em São Paulo e tinha uma mulher possivelmente em surto, falando sozinha e muito brava com quem quer que ela estivesse falando na imaginação.
    O cobrador começou a falar: – Esqueceu de tomar o diazepan, o gadernal.
    A mulher, acho, nem ouviu.
    Eu desci perto do Hospital das Clínicas, a mulher desceu atrás de mim e o cobrador botou a cabeça pra fora e continuou a dizer que ela tinha esquecido de tomar o diazepan.
    Não sei o que me deu na pituca que eu disse a ele que a mulher estava doente e merecia respeito.
    Ele respondeu que eu não esquecesse de tomar o diazepan, que logo era eu que estaria gritando por aí.
    Muitas e muitas vezes, vi pessoas rindo, caçoando ou ficando bravas com alguém que esteja dando demonstração de estar em surto pelas ruas, como se aquilo fosse uma coisa muito engraçada e fico pensando que de todas as discriminações, a pior talvez seja com os loucos.
    Pronto: falei.
    Talvez eu realmente tenha esquecido de tomar o meu diazepan do dia… rsrsrs
    Márcia Brandão Raposo, em 26 de março de 2010, às 22:11
    Confesso que sai do cinema sem ter certeza de que havia gostado. Na verdade, não gostei. Os dias foram passando e eu reformulando com os meus botões. É genial, sim! Pesado. Mas genial!

    • Sylvia querida,
      Você é sempre bem vinda! Acrescenta caminhos!Isso que você contou sobre a loucura no outro que serve para zombaria é muito triste… Mas também é uma defesa, não acha? Dá medo a loucura. Aí eu rio do outro como uma forma de mostrar que eu não sou assim. Nem nunca serei. E talvez, seja o caso do que zomba ter que tomar remédio também…Vai saber!
      Beijos

  2. GK disse:

    Eleonora, sigo suas crônicas. Semana passada assisti “SINGLE MAN”, me nego a dizer o titulo em português… é um absurdo.
    Este final de semana irei assistir “A ILHA DO MEDO”.
    GK

  3. Silvana Campagnoli disse:

    This bitter earth”, Esta terra amarga:
    No fim, tudo podia
    Não ser tão amargo…
    Nessa terra amarga
    Para que serve o amor?

    Olá Leonora, começo a conhecer suas crônicas,seu blog e quanto coisa boa vejo aqui!Obrigada.

    Lendo os versos acima, lembro-me da morte de Kadafi hoje ou ontem, noticiada. Assim como serviram ao filme de Scorcese,servem agora também ao ditador.

    Um abraço,Silvana

Deixe uma resposta para Silvana Campagnoli Cancelar resposta

Obter uma imagen no seu comentário!