Adorável Sonhadora

“Adorável Sonhadora”- “Beasts of The Southern Wild” , Estados Unidos, 2012

Direção: Benh Zeitlin

 

Ela aparece brincando com lama. Faz um bolo e o coroa com um patinho vivo. Cabelos encarapinhados, botas de borracha brancas, calcinha e camiseta. Vive entre galinhas, patos, porcos, cachorro, gato, siris. Todos no meio do lixo.

A casa dela é difícil de descrever. Um “trailler”, talvez, montado sobre uma estrutura estranha. O acesso é por uma escada precária e, lá dentro, uma bagunça de coisas misturadas num espaço pequeno.

Ouvimos seus pensamentos, assim como ela ouve o coração dos bichos, colocando-os na orelha:

“Aposto que eles falam quero comer. Mas às vezes falam num código que eu não entendo…”

A câmara está sempre próxima do rosto dela que mostra um ar de concentração e olhos atentos. É uma criança mas passa uma determinação e reflexão difíceis de encontrar em meninas e meninos de sua idade, uns 7 anos.

Mora com o pai Wink ( Dwight Henry), doente e alcoólatra, como todos que vivem nessa comunidade à beira de um rio no sul dos Estados Unidos. Ele a ensina a sobreviver, a ser dura e selvagem e amar a “Banheira”, o lugar pantanoso onde moram.

“Mamãe, é você? “, pergunta a menina quando ouve um som diferente ou vê uma luz na floresta.

Hushpuppy procura a mãe que fugiu dali nadando. E escuta as preleções de uma vizinha que diz que todos serão destruídos quando as calotas polares descongelarem e os “airoques”, bichos pré-históricos, saírem vivos do gelo onde dormem.

Pesadelos de olhos abertos mostram a ela grandes pedaços de gelo caindo e vultos congelados espreitando no escuro.

“Adorável Sonhadora”, o titulo em português, não tem nada a ver com o original que é algo como “As Bestas do Sul Selvagem”. Mostra pessoas que vivem totalmente à margem da nossa cultura e não são apenas pobres, querem permanecer selvagens, dentro de seu território.

Benh Zeitlin, o diretor estreante de 30 anos, nasceu em Nova Iorque de pai brasileiro, radicado nos Estados Unidos. Ele vive em Nova Orleans e foi lá que rodou seu curta sobre o furacão Katrina de 2005 que destruiu a Louisianna, “Glory at Sea” (2008).

Seu longa, protagonizado por amadores, foi baseado na peça de Lucy Alibar, amiga de infância, “Juicy and Delicious”. Escreveram o roteiro juntos:

“Depois do Katrina eu estava muito ligado nos temas da água e da perda dos lugares. “Juicy” é sobre a perda de uma pessoa. Percebi que podia juntar as duas coisas, a perda do lugar e da pessoa e foi assim que surgiu a personagem Hushpuppy “, diz o diretor em entrevista.

Quvenszhané Wallis tinha 8 anos quando fez o filme e agora vai completar 10. Indicada ao Oscar de melhor atriz, se ganhar, será a mais jovem oscarizada da história desse prêmio. Além de bem dirigida, a menina mostra talento e maturidade, aliados a uma graça natural que ela empresta à sua personagem.

“Adorável Sonhadora”
foi indicado também a melhor filme, melhor diretor e melhor roteiro adaptado.

Sucesso de público nos Estados Unidos, é um filme tocante e terrível, que mostra o mundo recriado na cabeça de uma criança que vive como um bichinho e quer permanecer assim.

 

Este post tem 7 Comentários

  1. Nilu Lebert disse:

    A meu ver, é um filme bem psicanalítico e você talvez tenha encontrado nele altos significados.Agora, te escrevendo, me lembrei de te agradecer por uma gentileza que você e seu marido nos fizeram, a mim e à Maria Adelaide quando nos encontramos casualmente no finado Antiquarius. Quando fomos pagar a conta, soubemos que vocês (que já tinham saído) deixaram a conta paga… Ainda ontem jantei com nossa amiga e falamos de cinema. Até porque estamos, Rubens Ewald e eu, escrevendo o segundo volume de O Cinema Vai à Mesa. Aliás, gostaria de te enviar um exemplar do primeiro. Para onde devo mandar? Beijo, Nilu

  2. Danian Dare disse:

    Gostei de sua descrição atenta do ambiente em que vive a menina, ambiente selvagem que determina um certo padrão de existência perante aquela realidade. Selvagem, porém um mundo deles, conhecidos por eles, um mundo civilizado é um território no qual se perderiam facilmente, por serem eles muito mais instintivos. E esse mundo civilizado é o pesadelo que faz derreter as calotas polares, esse é uma pesadelo dela e de nós.

    • Eleonora Rosset disse:

      Danian querido,
      Que belo comentário! Concordo plenamente.
      Sai do cinema bem abalada com o drama do bicho em nós estar sendo expulso e domado, qdo tudo que essa parte nossa quer é ser livre e selvagem!
      Bjs

  3. JOÃO DE MELLO disse:

    Sua resenha do Oscar 2013 pré e pós foi impecável e elegante. Nós , aqui de Araras , que não temos cinema nos contentamos a dar um pulo a Campinas que tem ótimos e impregnados por suas observações nos orientamos para escolhermos o que há de melhor. Além do mais …nessas horas , viajamos para o extraordinário e para o conhecimento. Meu aplauso de estímulo. Vc é a quintessência!

    • Eleonora Rosset disse:

      João querido,
      Você me deixou toda toda com essa “quintessência”!Como é gostoso ser lida e apreciada!
      Eu espero continuar agradando! Ah! a foto da Helen Hunt que eu coloquei na minha página do Face ontem, tirei especialmente para vc que sei que é fã dela. Gostou?
      Bjs

  4. Maria de Lourdes Coelho disse:

    Adorável Sonhadora é emocionante! Fiz o link com o filme documentário “Estamira” http://www.youtube.com/watch?v=KFyYE9Cssuo

    Estamira é a própria Hushpuppy na versão adulta e brasileira.

    Confira!

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!