Baseado em Fatos Reais

“Baseado em Fatos Reais”- “D’Après Une Histoire Vraie”, França, Polônia, Bélgica, 2017

Direção: Roman Polanski

Tudo começa numa sessão de autógrafos. Delphine (Emmanuelle Seigner, mulher do diretor) e seu último livro são um sucesso. Pessoas se apertam na fila e, quando chegam nela, são só elogios e admiração.

Mas algo errado acontece com a escritora. Parece que se sente mal e pede para interromper os autógrafos.

Longe da multidão, uma moça sedutora (Eva Green) dirige-se à autora:

“- Só um último autógrafo para a sua maior fã? Vim de tão longe…”

Começa ali um jogo misterioso que prende o espectador.

Vamos ver Elle, a fã e Delphine, a escritora, enredadas num relacionamento sutilmente sadomasoquista, desde o princípio.

Delphine está estressada porque o livro difícil que escreveu sobre a mãe incomoda também alguém que começa a enviar cartas anônimas, acusando-a de denegrir a família, de não ser boa mãe, de ser interesseira e ganhar dinheiro às custas dos outros. Essas cartas são a gota d’água e jogam Delphine numa depressão séria.

Por causa disso, não dorme bem e está com um bloqueio criativo. A página em branco do computador torna-se um campo minado que ela não ousa tocar. Chega a tal ponto que vemos ela sufocar, abrir a porta do terraço e debruçar-se perigosamente. Tememos por sua vida.

Além de tudo isso, seu companheiro (Vincent Perez), que tem um programa de televisão, onde entrevista autores literários, foi viajar por três semanas. Ela está sozinha. Frágil e vulnerável.

Presa fácil para Elle? O que quer aquela mulher? De boa ouvinte simpática, passa a cobrar que a autora escreva seu “livro escondido”. Por que não escreve sobre si mesma?

E quando Delphine pergunta a mesma coisa para Elle, que é escritora-fantasma de celebridades, ela diz que sua vida é desinteressante, sem marido, filhos, nem família.

Quando Elle invade o apartamento da outra, a coisa fica ainda mais fascinante e perigosa porque ela passa a comandar a vida de Delphine, como se fosse a parte dela que toma as decisões.

O roteiro, escrito por Olivier Assayas e Polanski, adaptação do livro de Delphine de Vigan, de mesmo título que o filme, é esperto e sabe fazer crer no que vemos, enquanto esconde a verdadeira situação entre as duas mulheres. Aliás, o filme é delas. Atrizes soberbas, elas facilmente capturam o espectador na armadilha psicológica da história.

A música de suspense do grande Alexandre Desplat, recém oscarizado por “A Forma da Água”, ajuda a criar um clima denso, perigoso e assustador. Um pesadelo? Mais. Um surto.

Um filme inteligente que sabe prender o espectador.

Este post tem 2 Comentários

  1. Beatriz Cohen disse:

    Eleonora gostaria de sua explicação do enredo e o final do filme ! Como podemos concluir este filme . Obrigada

  2. Beatriz Malamud disse:

    É como você falou, Elle parece ser uma parte de Delphine, uma amiga imaginária. Durante todo o filme, só Delphine a vê e fala com ela. Elle não esteve presente na escola, quando iria
    substituir Delphine e também não conversou com o companheiro da escritora, como pareceu. Polanski, mesmo fazendo um pastiche de seus filmes como O Escritor Fantasma e O Inquilino, ainda é envolvente e fez um filme de suspense bom e intrigante.

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!