Chamada a Cobrar

“Chamada a Cobrar” Brasil, 2012

Direção: Anna Muylaert

Quem passou por isso sabe como é. Quem não passou, ouviu alguém contar do sofrimento com esse golpe perverso que é o falso sequestro.

Já foi até capa de revista nacional.

Alguém, mãe ou pai, escuta um homem com disposição violenta, voz de marginal, dizer que estão com uma pessoa da família. Geralmente filho ou filha. E a mãe ou quem atendeu ao telefone inocentemente, angustiada com o susto que levou, se confunde. Na voz do comparsa, que imita a voz de uma pessoa desesperada, reconhece erradamente a filha ou filho e entrega o nome ao criminoso. E aí, é tudo que ele queria para extorquir o que quiser.

Anna Muylaert retrata fielmente essa situação desesperadora em seu filme “Chamada a Cobrar”, que originalmente, era um média metragem, com o nome de “Para aceitá-la continue na linha”, que passou na TV Cultura.

Bete Dorgami, atriz talentosa, faz Clarinha, uma senhora de meia idade, classe média alta, que mora sózinha com seu cachorro e a empregada de anos de casa.

Ela tem três filhas ocupadas, distantes quase o tempo todo, com seus afazeres preenchendo o dia. Não sobra muita coisa para a mãe. Mas, quando a empregada consegue, finalmente, localizá-las, dão-se conta do desaparecimento dela e são ajudadas por um delegado de policia que conta a elas sobre o golpe do falso sequestro e ensina como devem se portar para ajudar a mãe.

O filme se passa quase o tempo todo dentro do carro de Clarinha, que, com o celular no ouvido, segue as instruções do falso sequestrador ao pé da letra. Ela faz tudo que ele manda fazer.

Seria ela uma pessoa inocente, distante da realidade, meio gagá? Clarinha pode até dar essa impressão, agora que esse golpe é conhecido e todo mundo já sabe como funciona. Mas a intenção da diretora parece que não é essa. Porque quase qualquer um poderia ter caído nesse golpe, naquela época. Bastaria que amasse ou se preocupasse com o destino do filho ou filha, longe de casa, que se pensa que está na situação perigosa que o marginal que fala ao celular faz crer.

Acredite quem quiser, mas, infelizmente, esse golpe já foi adotado em nova versão, não por marginais falando português errado, mas por jovens que se fazem passar por familiares de avós, tias, parentes em geral.

Essas senhoras abordadas por telefone, bem intencionadas, acreditam na história que é contada com detalhes por supostos parentes desesperados e fazem depósitos na conta do jovem que passa por uma aflição, naturalmente inventada. E que pedem sigilo para que a mãe deles não fique nervosa.

“- Sabe como é, né, vó? A mãe é exagerada. Melhor eu contar depois com calma para ela. E eu vou te devolver esse dinheiro emprestado, claro.”

No Brasil, já não é só a classe mais necessitada que é a autora de golpes para arrancar dinheiro das Clarinhas ricas. Infelizmente aqui, a juventude “esperta” adotou o modelo que se mostrou compensador e saqueia a própria família ou a do amigo. Todo cuidado é pouco.

Este post tem 1 Comentários

  1. Lopes disse:

    Te acompanho amiga e gosto muito do seu jeito de olhar a sétima arte…fora que você sempre foi muito boa como pessoa e como Psicanalista…desejo muita felicidade para você, maridão e pra toda a família. Beijos do Lopes, O Homem do Vinho

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!