Eu e Você

“Eu e Você”- “Io e Te”, Itália, 2012

Direção: Bernardo Bertolucci

O que foi que aconteceu com aquele garoto, sentado incômodo, frente ao terapeuta? Este, que já não é jovem, usa uma cadeira de rodas e pergunta com paciência sobre o acontecimento traumático que envolveu seu paciente e um amigo.

Nada feito. Lorenzo (Jacopo Antinori) , de 14 anos, a tudo responde com uma frase lacônica:

“- Normal. Ele teria feito o mesmo.”

E o terapeuta diz:

“- Mas o que é “normal” para você? “

O garoto olha o relógio e dá por terminada sua hora.

Parece que Lorenzo nada contra a corrente.

No restaurante com a mãe (Sonia Bergamasco), superprotetora, separada do pai dele,  ele encena um complexo de Édipo exagerado, quase certamente para irritá-la. E ela explode:

“- Você parece um menino de 6 anos!”

Adolescente, cheio de espinhas e com os olhos azuis encobertos por uma sombra, Lorenzo não está bem.  Construiu uma carapaça para onde se retrai quando alguém chega perto demais.

A expedição de ski do colégio serve como o momento certo para ele atuar esse estado de alma que é psicológico, tranformando-o em um evento concreto. O porão de sua casa vai ser seu “habitat” por uma semana. Finge que foi com os colegas e refugia-se lá embaixo, levando seus discos e comida, para ter paz.

Mas algo inusitado vem quebrar seu isolamento.

Olivia (Tea Falco), sua bela meia-irmã, mais velha do que ele, aparece de repente, procurando coisas dela naquele porão.

Os primeiros movimentos de Lorenzo são de retraimento e raiva. O que faz ali aquela estranha? Mas, aos poucos, vamos observando sinais de curiosidade entre ambos.

Houve uma entrega total dos jovens atores aos seus personagens, sob a batuta do maestro Bertolucci.

E eu me pergunto se o diretor, que adaptou o livro “Eu e Você” de Nicolò Ammariti, editado no Brasil pela Ed. Bertrand Brasil, e que passou por um periodo difícil, tetraplégico e sem filmar, desde “Os Sonhadores” de 2003, não se identifica com Lorenzo, que passou por algo terrível e não consegue mais viver no mundo. Certamente ele também teve que lutar para poder chegar na cadeira de rodas e voltar a dirigir um filme. Bertolucci disse numa entrevista:

“- Acho que a maioria dos meus filmes fala sobre o universo jovem, de seus medos, suas vontades, seus desafios. Talvez seja porque me interessa muito a energia que o jovem tem, que tem muitas vêzes de aprender a usar para poder viver num mundo que não o compreende.”

Voltar a filmar depois de 9 anos afastado, numa cama, cheio de dores e depressivo, como confessa num documentário imperdível, “Bertolucci por Bertolucci” de Luca Guadagnino e Walter Fasano, foi muito difícil e “Io e Te” é sua retomada cinematográfica.

A lista de obras-primas do cinema assinadas por ele é imensa. Mas é só lembrar de “La Luna” 1978, “O Último Tango em Paris”1972, “O Último Imperador”1987, “Novecento”1976, “O Céu que nos Protege”1990, para entender que ele ainda tem muito a dizer.

“Eu e Você” é um filme intimista que desvela com delicadeza as dificuldades de seres humanos. Ultrapassar as próprias, faz do filme um depoimento concreto e valioso de Bernardo Bertolucci, mestre do cinema.

Este post tem 3 Comentários

  1. Maria Isabel F. Alves de Lima disse:

    Eleonora, Perfeito!

    • Eleonora Rosset disse:

      Bebel querida,
      Obrigada! O filme é só ternura e esperança. Bertolucci é um gênio que não se deixou abater pela perda de seus movimentos, o que é mt duro de aceitar e mostra que tem um cérebro e coração que funcionam. Grande lição para todos nós!
      Bjs

  2. heddy dayan disse:

    eleonora, tem muito de Freud a história do relógio que passa de pai para filho, né. Quero ver esse . beijos

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!