Mad Max : Estrada da Fúria

“Mad Max: Estrada da Fúria”- “Mad Max: Fury Road”, Austrália, Estados Unidos, 2015

Direção: George Miller

Já consagrado em Cannes, aplaudido durante sua exibição para a crítica internacional, “Mad Max: Estrada da Fúria”, está sendo considerado o melhor filme de ação do ano.

Max, o personagem de Mel Gibson nos outros três filmes, agora é Tom Hardy, o único macho atraente na tela.

A trama é simples. Max, sempre atormentado por culpas do passado, é aprisionado por estranhos seres pálidos e carecas, muito maus, que o aprisionam numa gaiola para servir como doador de sangue.

O líder deles é “Immortal Joe”(Hugh Keays-Byrne), que tiraniza seu povo e se anuncia à multidão de excluídos como o Redentor. Usando uma prótese com enormes dentes, cabelos brancos desgrenhados e olhar furioso, ele é assustador.

São dele todos os recursos que existem nesse mundo pós-tudo, incluindo a água, plantas e até mesmo mulheres que doam seu leite para os inúmeros filhos de Joe, que servem como seu exército, protegendo sua cidade, a Cidadela.

Quando a Imperatriz Furiosa (Charlene Theron) foge de Joe, levando as mulheres dele, começa uma perseguição cruel. Max, que consegue escapar dos seres pálidos, tenta ajudar a Imperatriz a livrar-se desses seres endoidecidos que estão no seu encalce.

De cabeça raspada, maquiagem negra que cobre sua cabeça e testa e vai até os olhos claros, alta e com um corpo perfeito, a Imperatriz tem uma prótese no lugar de seu braço esquerdo, o que mostra que ela não hesita em se arriscar. Guia um caminhão híbrido de tanque de combustível com pedaços de outros carros acoplados. Ela arrasa.

E as companheiras, que ela roubou de Joe, são belas e jovens mas também selvagens.

O filme passa-se quase que inteiramente no deserto, onde a perseguição acontece. E são colisões, capotamentos, explosões, muito tiro, motos que voam sobre carros saídos da imaginação mais louca, mistos de sucata de tudo que tenha um motor, ao som de uma furiosa guitarra elétrica, qual trio elétrico do horror.

A fotografia de John Seale, belíssima, pinta cenas com amarelo e vermelho para o dia e cinzas azulados para a noite. E a câmera acompanha, frenética, o exército atrás de Furiosa. Nota dez para a edição que empresta ritmo acelerado ao filme, bem como para a direção de George Miller, idealizador de tudo que pertence a esse universo bizarro e brutal.

O filme prende a atenção o tempo todo, colando o espectador na cadeira.

Mesmo pessoas como eu, que não gostam de filmes de ação, vão se encantar com Furiosa, Max e as velhinhas de moto que se aliam a eles. Porque é deliciosa essa fábula sobre um mundo onde a luta é por uma qualidade de vida melhor para todos.

Aqui é o matriarcado que vai salvar a humanidade dos machistas empedernidos e terríveis. Doa a quem doer.

Este post tem 2 Comentários

  1. Denilson Monteiro disse:

    Excelente. George Miller demonstra não ter ficado parado no tempo ao decidir por uma protagonista feminina que em muitos momentos supera o personagem título. Outro grande trunfo do filme é usar o mínimo de computação gráfico ou usá-la de modo a ficar imperceptível, como deveria ser.

    • Eleonora Rosset disse:

      Denilson querido,
      Sabe que esse foi meu primeiro ” Mad Max”? E comecei bem com um filme de ação sem aqueles cansativos efeitos especiais usados em demasia. E com a trupe feminina arrasando. Adorei as velhinhas de moto! Fiquei fã do George Miller.
      Bjs

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!