Noite do Oscar 2017

Noite da cerimonia do Oscar 2017

 

Depois do “Red Carpet” que mostrou as atrizes vestindo longos brancos com prata, alguns vermelhos e outros dourados, começa a noite do Oscar com muita vibração. Justin Timberlake põem todo mundo da grande plateia para dançar e a atmosfera é de alegria. Como deve ser sempre nesta noite tão esperada.

Mas aí começou o mal estar… O mestre de cerimonias, Jimmy Kimmel, sem a menor empatia com o público, faz um discurso chocho pregando união na América.

Depois, dirige-se a alguns dos convidados e indicados ao Oscar e, para minha surpresa, diz para Isabelle Huppert, francesa educada, que não tinha visto seu filme, “Elle”, mas que todos gostavam dela. Isabelle faz cara de paisagem e a câmera da TV focaliza outra pessoa. Foi deselegante, no mínimo.

Quem foi que teve a infeliz ideia de convidar esse senhor para animar a noite?

E os prêmios começaram com o melhor ator coadjuvante indo para as mãos de Mahershala Ali,  de “Moonlight”. Jimy Kimmel pergunta para ele, já na plateia, que devia ser difícil escolher um nome para o filho dele. Confessa que não sabe pronunciar seu nome. O ator retruca que é muito fácil. Seu filho chama-se Omar. Nossa, pensei eu com os meus botões, xenofobia assumida?

Mas me distraí com  prêmio de cabelo e maquiagem que foi para “Esquadrão Suicida”e figurino para a tão oscarizada Colleen Atwood por  “Animais Fantásticos e onde habitam”.

Entram as três negras de “Estrelas além do Tempo”, lindas e felizes e homenageiam uma senhora da NASA em cadeira de rodas que vem a ser uma das personagens do filme.  Dão o Oscar de melhor documentário para  “O J: Made in America”.

A canção da animação “Moana” é apresentada com um belo visual e uma moça bonita, cantando bem.

Aparece a presidente da Academia e faz o discurso de praxe e logo depois aquele senhor Kimmel anuncia que cinema sem doce não tem graça. Imediatamente caem guloseimas do teto do teatro. Fiquei sem saber se gostava disso…

O fato é que a minha noite não estava correndo bem. Mas fingi que não vi e aplaudi o Oscar de edição de som para “A Chegada”e mixagem de som para “Até o último homem”de Mel Gibson.

Quando Viola Davis ganha o Oscar de melhor coadjuvante em “Um limite entre nós – Fences”, eu renovo meu ânimo com o discurso emotivo que ela faz, muito aplaudida.

Charlize Theron, sempre monumental, entra com Shirley MacLaine e entregam o prêmio de melhor filme estrangeiro para “O Apartamento”do diretor iraniano Asghar Farhadi. Claro que ele não estava lá e mandou uma engenheira iraniana que foi astronauta receber seu prêmio e ler algumas palavras de agradecimento.

Quando Gael Garcia Bernal disse que, como mexicano não aprovava muros, a música tocou mais alto e o melhor curta foi “Piper” e a animação vencedora “Zootopia”da Disney.

O prêmio para desenho de produção foi o  primeiro de ”La La Land”.

E vem aquele mestre de cerimônias anunciar que turistas desavisados foram levados ao teatro sem saber do que se tratava. A confraternização esperada foi rápida e sem graça,

Mas vamos lá, disse para mim mesma, o melhor vem depois. E “Mogli”ganha o Oscar de efeitos especiais, merecido. E o filme de Mel Gibson ganha o segundo Oscar, melhor montagem.

Na plateia o Kimmel entrevista o ator mirim de “Lion”e é outro desconforto…

Mas lá vem Salma Hayek com o prêmio para melhor documentário curta, “White Helmets”, sobre voluntários humanitários na guerra da Síria. E o melhor curta é “Sing”.

Xavier Bardem e Meryl Streep entregam o segundo Oscar, de fotografia, para “La La Land”. E o ponto alto da noite acontece. Emma Stone e Ryan Gosling anunciam as duas canções de “La La Land”indicadas para o Oscar. John Legend canta as duas divinamente. E Justin Hurwitz ganha em seguida o Oscar de melhor trilha sonora para “La La Land”e volta para ganhar o Oscar da canção “City of Stars”, quarto Oscar do filme.

O “In Memoriam”foi bonito.

Ben Affleck e Matt Damon entregam o Oscar de melhor roteiro original para Kenneth Lonergan de “Manchester à Beira Mar”, aplaudido e merecido. E melhor roteiro adaptado é de “Moonlight”. Perfeito!

Não…Outra vez caem lanchinhos do teto…

E o quinto Oscar de “La La Land” vai para Damian Chazelle, o talentoso diretor de apenas 32 anos.

E Brie Larson, melhor atriz do ano passado passa o Oscar de melhor ator para Casey Affleck pelo seu papel em “Manchester à beira mar”. Não podia ser de mais ninguém.

E Leonardo DiCaprio, o melhor do ano passado, chama Emma Stone para ganhar o dela, como melhor atriz. Ela está encantadora e cantando lindamente no filme que conta já com seis Oscars.

E foi aí que aconteceu o grande desastre da noite, se não bastasse o mestre de cerimônias, os docinhos e os turistas. Fay Dunaway e Warren Beatty, a dupla de  Bonnie and Clide” anunciam  “La La Land” como o ganhador de melhor filme do ano. O elenco, menos Ryan Gosling sobe ao palco, recebe o Oscar e… o ganhador na verdade era “Moonlight”…

Não sei como explicar tamanha falta de responsabilidade. Em concurso de Miss a gente já viu isso. Mas no Oscar?

Só sei que imagino a decepção do pessoal de “La La Land” e o sucesso roubado de “Moonlight”. Vergonha.

Este post tem 8 Comentários

  1. Catarina disse:

    Depois de ler seus comentários nem me arrependo de não assistido à entrega do Oscar! A sua descrição vívida do ocorreu durante toda a entrega dos premios fez com que eu me sentisse como uma participante ocular do programa! Muito bom! Lendo sua critica não há necessidade de ficar a. Oite acordada olhando o programa ao vivo! Bastam suas palavras para sabermos como foi….. bejis

  2. Sua prévia “Oscariana” feita em video dos seus ‘Jardins da Babilonia’ particular – imagino que sejam! – já estava ‘de bom tamanho’ para minha atenção e emoção quanto ao Oscar.
    Aí vieram suas postagens no face que a ‘fazem indicada’ à próxima apresentadora Global. Diferente do ‘vexame’ constrangedor desta edição, seu texto aqui no blog, então, a Qualificam à Mestra de Cerimônia do próximo Oscar. ‘City of Stars’!

  3. Maria Del Carmen disse:

    Cara Eleonora:

    A sua análise foi perfeita. Amo cinema e sempre vejo o Oscar. Admito também ( não sou de ferro) , que gosto conferir os looks das atrizes. Desta vez fui uma grande decepção. Como pôde haver uma falha daquela? Não assisti os filmes indicados, portanto, seria uma leviandade expor a minha opinião, mesmo pela ótica de uma simples aficionada.Li algumas críticas e acompanhei outros prêmios, onde deduzi que este ano era para “Moonlight”, mesmo com a dúvida que a Academia gosta de premiar quando o tema é o próprio cinema, mas “Moonlight” reunia outras qualidades além do fato da maioria dos atores serem negros- assunto muito discutido ultimamente – gostei dessa escolha. No mais…, foi um tédio.

  4. Eleonora Rosset disse:

    Maria Del Carmen querida,
    Fiquei chocada com a falta de respeito com os elencos de La La Land e Moonlight. O primeiro foi humilhado e o segundo perdeu o brilho merecido de sua vitória.
    Lastimável…
    Bjs

  5. Maria Zilda Taunay L Guimaraes disse:

    Ótimo relato ,Eleonora,de acordo em td!!!

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!