O Céu é Rosa

“O Céu é Rosa”- “The Sky is Pink”, Índia, 2019

Direção: Shonali Bose

“- Estou morta. Mas vamos esquecer isso? ”diz uma garota de voz travessa.

Essa é uma história verídica. Aisha Chaudhary realmente existiu e foi vítima de uma doença genética rara que a levou aos 18 anos de idade. Ela é a narradora do filme, o que pode causar estranheza em alguns mas isso foi um ótimo achado do roteiro, escrito pela diretora Shonali Bose e Nilesh Maniyar. Assim, conseguiram dar leveza a um tema que nos toca a todos mas que é desconfortável para a maioria.

O espectador brasileiro tem pouco contato com os filmes de Bolywood, como são chamados os estúdios indianos.

Mas, apesar de muito vistos na própria Índia, que tem uma população de mais de um bilhão de pessoas, começam a querer ganhar terreno principalmente nos Estados Unidos. Costumavam ser filmes que eram interrompidos na narração por dança e música, o que acontece também nesse “O Céu é Rosa” mas de forma mais leve e natural.

Aqui é contada a história de um casal que se ama, Aditi (Priyanka Chopra Jonas, atriz ótima e belíssima) e Niren (Farhan Aktar). Quando Aditi descobre que está grávida começa o drama porque, convertida ao cristianismo, se recusa a abortar. Mas por que aquela criança não poderia nascer? O medo todo é que uma doença genética rara, que já tinha sido a causa da morte deTanya, muito cedo, levasse também o novo bebê.

Mas Aisha (Zaira Wasim) conta de forma nada trágica seus primeiros meses de vida, até fazendo piada sobre ela mesma e a preocupação dos pais. Constatada a doença, foi necessário fazer uma arrecadação pública de doações, já que o tratamento era caríssimo.

O pai foi o doador da medula óssea e Aisha teve que fazer a quimioterapia. A mãe e a bebê ficaram em Londres. O pai voltou mas o irmão sente falta da mãe.

Através das falas em um telefonema entre a mãe e o filho, entendemos o título do filme. Ele conta que pintou de rosa o céu do desenho e que todos disseram que a cor estava errada, já que o céu é azul. A mãe entendeu a queixa percebendo que a cor rosa do céu era a fantasia de estar com a mãe e ser a bebê Aisha, o centro das atenções dela.

A diretora acertou quando escreveu o roteiro em “flashbacks”e “flashforwards”’, dando assim dinamismo e suspense ao que é contado.

Aisha tornou-se conhecida pelas palestras motivacionais que ela fazia, contando sua história e o convívio com sua doença. Falava muito naturalmente sobre a morte, que é algo que todos vamos conhecer, mais cedo ou mais tarde, e o quanto isso faz com que cada dia seja precioso. Ela também escreveu um livro ilustrado com seus desenhos.

“O Céu é Rosa” mostra como o cinema da Índia pode ser universal e comover plateias que nunca tinham tido contato com esse belo país, onde vivem pessoas que ultrapassam suas dificuldades com muita sabedoria.

Este post tem 2 Comentários

  1. Maria Antonieta Fuzaro de Lacerda Abreu disse:

    Eu assisti só 2 trailers, filme escuro, brincadeiras com motos. Já viu, não é o meu estilo. Obrigada Eleonora querida, bjs.

    • ELITA DA CRUZ disse:

      Não se deixe enganar pelos trailers. Filme sensacional, ótima qualidade e boa atuação. Com um enredo bem conduzido, o filme é tocante, engraçado e leve ao mesmo tempo. É um filme longo, mas com várias nuances e encantador. Sempre dou uma olhada nas indicações da Eleonora e se não fosse ela, esta “jóia” passaria desapercebida na NETFLIX.

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!