O Fantasma da Sicília

“O Fantasma da Sicília”- “Sicilia Ghost Story”, Itália, França, Suiça, 2017

Direção: Fabio Grassadonia e Antonio Piazza

Escuridão e o barulho de água pingando nas pedras de uma gruta. Mal adivinhamos o que vemos.

De repente, uma luz ilumina a água e vemos uma fonte jorrar à beira de uma estrada, onde estão adolescentes. O que bebe daquela água embrenha-se sozinho na floresta, sem notar que uma coleguinha o segue. Há uma névoa que traz mistério àquele lugar.

A menina vê o colega encantar-se com uma borboleta que pousa em sua mão e não percebe o furão curioso que cheira seus pés. Caminhando, logo chegam numa árvore centenária.

“- Giuseppe!”, grita assustada a menina que não viu o garoto aproximar-se por trás dela. “- Eu não estava te seguindo”, mente ela, envergonhada por ter sido descoberta.

Segue o caminho correndo mas um mastim negro, que comia um coelho, rosna e parece que vai atacar. Giuseppe aparece e grita com o cão e os dois fogem pela floresta.

Será que imaginamos coisas ou existem seres que espiam aqueles dois escondidos pela folhagem?

“O Fantasma da Sicília” é uma recriação fantasiosa de um caso triste da vida real. O menino é Giuseppe di Mateo (Gaetano Fernandes), sequestrado pela Máfia em 1993 e mantido em cativeiro por mais de dois anos, na esperança de que o pai dele, mafioso que se tornara informante da polícia, desistisse das delações.

Luna (Julia Jedlikowska, excelente), a colega de Giuseppe, é uma personagem fictícia no filme inspirado no conto “Un Cavalieri Bianco”, do livro de Marco Mancassola, “Non Seremo Confusi per Sempre”. Há uma denúncia sobre a atuação da Máfia na Sicília, onde mesmo quem não pertence a essa organização criminosa, fecha os olhos perante seus delitos.

A única que se desespera e procura incansavelmente por Giuseppe é Luna, apaixonada por ele.

A fotografia de Luca Bigazzi (“A Grande Beleza”) ajuda a criar um clima misterioso de um universo paralelo, já que a linguagem mitológica traduz melhor a relação do par de adolescentes, Romeu e Julieta nos domínios de Hades, o deus do mundo inferior e dos mortos.  Também Luna, a Lua e suas relações com a água e a coruja que habita o porão da casa de Luna, que tem a ver com a deusa Atena, símbolo da sabedoria, mas que também era vista como um arauto da morte nas culturas antigas. Todas essas referências criam o lado mágico e mítico dessa história de amor.

A imagem das ruinas do belo templo grego à beira mar, mostrado em tomadas aéreas, lembra sempre que estamos na terra dos antigos gregos que lá erigiram monumentos aos seus deuses nos séculos V e VI AC, no Vale dos Templos, próximo a Agrigento.

E o filme foi rodado em Troina, perto do Lago Pergusa, onde Hades sequestrou a bela Perséfone, filha de Deméter, deusa da terra, que não cansou de tentar resgatar a filha do reino dos mortos.

Luna, qual Deméter, quer resgatar Giuseppe para a vida e sonha com ele do mesmo modo que, no cativeiro, lendo a carta de amor de Luna, Giuseppe sonha com ela.

Nino (Andrea Falcone), amigo de Luna, faz lembrar que a Sicília, que foi um dia o lugar dos deuses, deveria ser deixada novamente para a Natureza. Os homens estariam desgostando os deuses, que responderiam se vingando.

Mas, na praia siciliana, no final do filme, Luna parece ter reencontrado seu lado solar e amoroso que a traz de novo para a vida. Há uma mensagem de esperança de convivência possível dos fantasmas dos mortos queridos com os vivos.

“O Fantasma da Sicília” é um filme que surpreende e fascina, envolvendo o espectador em seus mistérios.

Este post tem 1 Comentários

  1. Cassia Bruno disse:

    Excelente comentário, vou assistir

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!