Philomena

“Philomena”- Idem, Inglaterra/Estados Unidos/ França, 2013

Direção: Stephen Frears

 

Tudo começou naquele dia de 2003, em que Philomena, sentada na capela da Virgem, parece melancólica e pensativa. O que será que a entristece?

Stephen Frears, o diretor inglês do filme, que sabe contar histórias humanas como ninguém, usa “flash backs” para que possamos entender o que está se passando com aquela senhora.

Ela se vê no passado, mocinha, comendo uma maçã do amor num parque de diversões. Um rapaz bonito se aproxima, conversam e de repente estão longe de todos, num galpão. A maçã cai no chão.

Enquanto lágrimas enchem-lhe os olhos, ela se vê na frente da Madre Superiora olhando severamente sua barriga crescida.

“- Sua mãe não lhe falou sobre rapazes?”

“- A mãe dela morreu há muito tempo, Madre” informa outra freira.
 “- As Irmãs da escola nunca disseram nada sobre bebês”, diz Philomena aos prantos.

“- Não ouse culpar as Irmãs pelo seu pecado! Sua indecência!”

E logo Philomena se vê gritando de dor.

“- O bebê está atravessado! Chamem um médico!”

“- A dor é a penitência dela”, diz a Superiora, ao lado da mesa ginecológica, onde Philomena se contorce.

Mais tarde, vindo da igreja, sua filha, ao ver um retratinho emoldurado na mão de sua mãe, pergunta:

“- Quem é esse menino? “

“- Hoje é seu aniversário. Faria 50 anos.”

E, no coquetel em um hotel, a moça que serve o vinho, escuta alguém dizendo que quer escrever um livro.

“- Desculpe. Não pude deixar de escutar sua conversa. Quer escrever um livro? Conheço uma mulher que teve um bebê há 50 anos atrás. As freiras o tiraram dela. Aconteceu na Irlanda. Talvez tenha sido dado em adoção, sem o seu consentimento. Ela manteve o segredo por todos esses anos.”

Aquele segredo de 50 anos e sua incrível história aproximou Martin, o jornalista despedido da BBC e a senhora irlandesa. Ele viu em Philomena uma oportunidade de escrever um livro e ela queria tanto encontrar alguém que a ajudasse na sua procura pelo filho.

Martin Sixmith, que vai escrever o livro sobre o drama de Philomena, capta em conversas com ela, sua ingenuidade, sua aceitação do que acontecera mas também sua vontade de voltar a ver o filho. Então, sua atitude inicial de distância, de buscar apenas um meio de ganhar dinheiro, é substituida por uma proximidade com Philomena, uma mulher simples mas inteligente, de natureza apaixonada e bem humorada.

Infelizmente, a história das freiras católicas que acolhiam mães solteiras na Irlanda, desamparadas por suas famíias, é verdadeira. Em troca, as moças trabalhavam por 4 anos no convento, sem nada receber ou tinham que pagar 100 libras.  Uma fortuna que nenhuma delas possuia. Seus filhos eram adotados, à revelia, por casais americanos que pagavam 1.000 libras pela criança.

Judi Dench, empresta à essa mãe, com um segredo pesado, uma espontaneidade e naturalidade desarmantes. Seus olhos azuis se tornam cinzentos com a lembrança do filho que mal conheceu. Foi indicada a melhor atriz do Oscar 2014.

A verdadeira Philomena Lee, 80 anos, foi vista na TV e jornais, há pouco, com o Papa Francisco. Ela trabalha para ajudar as mães solteiras da Irlanda, que sofreram o mesmo castigo que ela, a procurar seus filhos.  Guardou sua fé.

Steve Coogan, que faz o jornalista é também co-autor do roteiro do filme. A trilha sonora de Alexandre Desplat pontua a tristeza de Philomena e nos comove. Também foram indicados ao Oscar.

“Philomena” foi escolhido para estar na lista dos 9 melhores filmes do ano no Oscar. Se não ganhar, não tem importância, o público vai saber apreciá-lo, tenho a certeza.

Este post tem 2 Comentários

  1. Luiz Roberto de Paula Dias disse:

    Adorei o filme Eleonora, obrigado pela suas informações que me levaram a assisti-lo, Stephen Frias expõe com delicadeza as agruras de uma Mãe na sua busca sem cair na tentação dos clichês; eu me envolvi rapidamente na estória, e claro pela exuberante interpretação de Judi Dench que só por isso já vale o filme. Quanto ao Steve Coogan gostei do contraste inicial na sua posição cética em relação há muitos momentos e a trans formação ao longo do mesmo.
    vamos ver o que Academia nos vai brindar na cerimônia de premiação, eu vi Cate Blanchett, sandra Bullock e agora Judi, difícil escolher a melhor; mas ainda tenho uns poucos dias para ver pelo menos mais dois filmes. bjs

    • Eleonora Rosset disse:

      Luiz Roberto querido,
      Desculpe pela demora da minha resposta.
      Passou o Oscar mas Judi dench continua em cartaz em SP, emocionando as plateias. Esse é o maior prêmio para um ator!
      Bjs

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!