Tudo por Justiça

“Tudo por Justiça”- “Out of the Furnace”, Estados Unidos/Reino Unido, 2013

Direção: Scott Cooper

 

Existe uma violência no ser humano que pode explodir quando menos se espera. Geralmente há um bom motivo mas outras vêzes não.

A cena inicial de “Tudo por Justiça” é exemplar nesse sentido. Do nada, um sujeito usa de uma violência gratuita e covarde para agredir uma mulher que está com ele num drive-in e depois se volta contra quem quer defendê-la. Bate muito em um homem que cai sem vida e ameaça os outros que poderiam querer comprar essa briga.

Esse personagem assustador (Woody Harrelson) vai reaparecer no final da trama e vai levar um bom homem à violência por vingança.

Mas “Tudo por Justiça” é também um filme sobre o amor fraterno. Russell (Christian Bale, ótimo) é o irmão mais velho de Rodney (Casey Affleck, muito bom também) e, apesar dos dois serem muito diferentes, se adoram.

Vivem numa cidadezinha da Pensilvânia que tem uma metalúrgica. O pai deles trabalhou lá, assim como seu próprio pai e agora está muito doente. Russell segue o mesmo ofício e Rodney é soldado, convocado várias vêzes para a guerra do Iraque. Parece que isso deixou marcas profundas nele.

Russell leva uma vida dura mas tem o amor de Lena (Zoe Saldanha). Os dois estão felizes mas ela sonha com um bebê.Ora, o salário de Russell é pouco e ele tem que sustentar o pai e o irmão, que não trabalha e vive metido em encrencas por causa de dívidas.

Willem Dafoe faz, com brilho,o agiota que tenta demovê-lo de se meter em encrencas ainda piores, já que Rodney insiste em ser lutador em brigas ilícitas, com final arranjado.

Questionado pelo irmão mais velho, o mais moço sempre encontra no fato de ter visto os horrores de uma guerra, a desculpa para não trabalhar. Algo ruim cresceu lá dentro dele e o faz prisioneiro de um destino cruel.

Preocupado e por isso distraido, numa noite, Russell bate num carro que ele não viu, saindo de uma estrada lateral. Assustado e nervoso, sai correndo e tenta ajudar as pessoas do outro carro. Horrorizado, vê que uma criança está morta.

O diretor e co-roteirista Scott Cooper conta bem sua história. Não se perde em explicações mas usa o talento de seus atores (mesmo Forest Whitaker e Sam Shepard em pontas), para mostrar a personalidade e o destino provável de cada um.

Leonardo DiCaprio e Ridley Scott produziram o filme, apostando assim no talento do diretor Scott Cooper, que já nos deu “Coração Louco”2010.

“Tudo por Justiça”, seu segundo longa, tem um elenco de peso e uma história comovente.

Fiquem atentos porque há uma cena final inesperada e importante. Não saiam correndo do cinema.

Aliás, a música “Release” da banda Pearl Jam é cantada no início do filme com tristeza e no final com desespero. Vale ouvir toda ela durante os créditos finais. Uma beleza.

Este post tem 1 Comentários

  1. Ramon Araujo disse:

    Olá Eleonora, boa noite.

    Primeiramente, parabéns pela análise.
    Li muitas críticas sobre o filme.
    Parece que a maioria dos telespectadores esperavam mais ação! Incluindo eu!
    Mas o filme é excelente no que se refere a “matéria” humana.
    Somos assim: vezes justos, vezes injustos.
    O filme começa com uma injustiça gratuita e termina com uma justiça paga por um inocente.
    Concordo plenamente com “Release”! Encaixou muito bem com o filme!

    Bem, o importante na vida é nunca desistir.
    Ainda vale a pena lutar por amor!

    Forte abraço.
    Ramon

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!