O Grande Hotel Budapest

“O Grande Hotel Budapest”- “The Grand Budapest Hotel”, Estados Unidos, 2013

Direção: Wes Anderson

Tudo é fictício em “O Grande Hotel Budapest”. O Hotel nunca existiu, muito menos os personagens que o habitam.

Mas o diretor Wes Anderson é um mágico e em cada detalhe de seu filme existe vida, estética e criação artística. Você vai querer que as cenas voltem, que os quadros fiquem estáticos e que tudo comece outra vez, tamanha é a profusão de beleza e imaginação que invade a tela.

Quem conta a história é um velho escritor que diz que ele não inventa nada, mas que as histórias vem para ele. E começa falando sobre os anos de ouro do “Grand Budapest Hotel” e de como foi parar lá quando teve uma crise de criatividade.

Em 1932, Ralph Fiennes é M. Gustave, o refinado “concierge” que dirige o Hotel Budapest, em sua época áurea, na República de Zubrovka, situada na fronteira mais oriental da Europa.

Anos mais tarde, em 1968, o autor, quando jovem (Jude Law), vai hospedar-se lá, na baixa estação. E confessa que o hotel começava a aparentar desleixo. Seria demolido em um futuro próximo.

Um dia, nota um hóspede solitário.

“ Não o reconhece?”pergunta o “concierge”.”É o Sr Moustafa, dono do hotel. E o interessante é que ele fica sempre num quarto pequeno, sem banheiro…”

Esse detalhe intriga o escritor, que resolve descobrir o porquê dessa excentricidade.

E uma coincidência nos banhos turcos, leva o jovem a perguntar diretamente ao dono do hotel como o havia comprado.

“- Não comprei. Se realmente se interessa, posso contar-lhe minha história durante o jantar.”

E começa a magia. Voltamos no tempo e às glórias que o lugar conheceu, com seus hóspedes de uma elite endinheirada, que desfilava pelos tapetes vermelhos e se reunia para beber champagne e ouvir as histórias de M. Gustave, que cortejava as ricas, idosas e louras hóspedes do seu hotel.

Quando Mme D. (Tilda Swinton) morre e deixa um testamento (ou mais de um), M. Gustave e o novo “lobby-boy” Zero (Tony Revolone), vão ao encontro de uma aventura fantástica, com toques de humor negro e referências sombrias à Segunda Guerra Mundial.

E um elenco de nomes estrelados aparece na tela, mostrando o prestígio do diretor Wes Anderson. Todos querem participar nos filmes dele, nem que seja em pequenas pontas.

É uma lista de estrelas que você reconhecerá: Willem Dafoe, Adrien Brody, Harvey Keitel, Jeff Goldblum, Bill Murray, Edward Norton, Saoirse Ronan (a suave Agatha), Mathieu Amalric, Léa Seydoux e mais alguns.

Stefan Zweig (1881-1942) é explicitamente homenageado pelo diretor, que declara ter-se inspirado nas obras do escritor, austríaco e judeu, que fugiu da Europa nazista em 1940 e veio para o Brasil, onde, depois de um pacto suicida com sua mulher, colocou um ponto final em suas vidas.

Wes Anderson, 38 anos, particular e único, faz de “O Grande Hotel Budapest” mais uma delícia para aqueles que já são fãs e claro que vai recrutar outros, que ainda não o conhecem, para a legião de admiradores de seu universo próprio, um público que esse excêntrico e jovem diretor seduz cada vez mais.

Este post tem 3 Comentários

  1. heddy dayan disse:

    Le, incrível como umas pessoas amaram e outras não, esse filme, vou querer ver

    • Eleonora Rosset disse:

      Heddy querida,
      O diretor Wes Anderson é muito original e é bem um tipo ame-o ou deixe-o.
      Eu adoro! Caprichoso nos detalhes, perfeita produção de arte e um certo ar antiguinho fazem dos filmes dele um must para os que gostam do gênero. Tem gente que acha pedante.
      Bjs

  2. Luiz Roberto de Paula Dais disse:

    Boa noite Eleonora,
    Acabei de assisti-lo e mais uma vez seus comentários foram valiosos para que eu pudesse aprecia-lo mais ainda; esse é um bom exemplo de como podemos ir ao cinema e tirar grandes proveitos, como rememorar ou receber novas informações sobre fatos históricos(mesmo nessa ficção), ver belas paisagens e dar grandes risada também.
    Os protagonistas são ótimos e as participações especiais um belo adendo ao todo, você bem citou a excelente direção de Wes Anderson, que manteve o interesse do expectador por todo o filme, gostei muito, obrigado.Bjs

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!