Verão 1993

“Verão 1993”- “Estiu 1993”, Espanha, 2017

Direção: Carla Simón

Oferecimento Arezzo

Uma menina olha o céu. Escutamos barulhos de fogo de artifício e gritaria de crianças. Mas Frida está mais distante que as estrelas e flores de luzes coloridas brilhantes que iluminam o céu e logo se apagam. No que pensa ela?

Frida (Laia Artigas) é pequena, tem 6 anos e seu rosto mostra uma indiferença a tudo que acontece a seu redor, como se não fosse com ela, como se ela não estivesse ali. E, no entanto, é a casa dela, onde morava com a mãe, que está sendo desmontada. Uma mudança a espera. De Barcelona, onde vivera até então, para o interior da Catalunha. Vai morar com os tios, Esteve, irmão de sua mãe (David Verdaguer) e Marga (Bruna Cusí) e com a sua priminha de 3 anos, Anna (Paula Robles).

Quando a avó dá a ela o santinho da Primeira Comunhão de sua mãe e ensina o Pai Nosso, pedindo que ela reze pela mãe, entendemos porque Frida está distante. É órfã. Perdeu seu pai e depois sua mãe.

Além da falta de expressão do rosto, Frida também não fala.

Quando chegam ao novo destino, ela, sempre com uma boneca no colo, não quer comer. Balança a cabeça tanto para o “não” quanto para o “sim”. Só quer água.

Acorda no dia seguinte com muito sol entrando pela janela, pios de pássaros e zumbido de insetos. A priminha canta enquanto sobe numa árvore e chama Frida para ver.

Na mesa do café da manhã, ela não quer o leite. A tia insiste e o tio, escondido, toma o leite dela. Um brilho aparece no olhar de Frida, no rosto um pequeno sorriso.

Foi esse o primeiro sinal de aceitação da nova realidade em sua vida.

A câmara acompanha Frida o tempo todo e, com isso, nos sentimos próximos da menina, aflitos com o que ela está passando.

Até das galinhas ela tem medo. Passa longe. Temos também medo por ela. Está muito frágil.

No açougue ouvimos a dona comentar com a tia Marga:

“- É a sobrinha de Esteve? Pobrezinha…Foi pneumonia? ”

Frida vai saber do acontecido com sua mãe em conversas de adultos que pensam que ela está longe ou que não entende o que falam.

Mas é nas brincadeiras com Anna que ela começa a lidar com tudo que está fechado dentro dela.

A imagem vestida de negro de Nossa Senhora, com o filho morto na cruz, que Frida encontrou no jardim, recebe presentes e preces. À noite, com uma lanterna, ela procura a mãe nas árvores e chama por ela. Em vão.

Nosso coração se aperta porque percebemos como está sendo difícil para Frida aceitar a morte da mãe. Ela nem mesmo sabe do que ela morreu, já que AIDS naquele tempo era tabu. E a priminha, com pai e mãe, é vista com um misto de ciúmes e raiva intensa.

Aceitar os tios como pais adotivos foi ainda mais difícil porque Frida os vê como inimigos:

“- Aqui ninguém gosta de mim”, diz para Anna.

Há sentimentos contraditórios que a fazem sentir-se confusa.

Carla Simón, 31 anos, diretora e roteirista, conta que se inspirou na própria vida dela para fazer o filme. E o talento da pequena atriz Laia Artigas, extraordinária, respondeu com extrema sintonia à direção de Carla Simón. Assim como todo o elenco.

No Festival de Berlim desse ano o filme ganhou o prêmio de Melhor filme de Cineasta Estreante e o Grande Prêmio do Júri da Mostra Generation Kplus. Foi também o escolhido para representar a Espanha no Oscar 2018.

“Verão 1993” é um filme delicado e comovente, que deixa ver que a dor de uma tragédia, aos poucos, pode ser vivida e compreendida.

Lágrimas no final são difíceis de reter.

Ler Mais

Assassinato no Expresso do Oriente

“Assassinato no Expresso do Oriente”- “Murder on the Orient Express”, Estados Unidos, Malta, 2017

Direção: Kenneth Branagh

Jerusalém, uma cidade ensolarada, de pedras antigas e sagrada, recebe o mais célebre detetive do mundo, Hercule Poirot (Kenneth Branagh, excelente) que, com sua famosa mania de perfeição e simetria, implica com os ovos quentes que são servidos de manhã em seu quarto de hotel.

Mas ele está de bom humor, porque, finalmente, Poirot está de férias.

Antes, porém, tem que atuar para solucionar um problema, pois uma relíquia preciosa foi roubada. Ele resolve o caso magistralmente, a partir de um detalhe insignificante, como aliás é a sua marca. Extremamente bom observador e dono de uma inteligência brilhante, ele é imbatível.

Porém, confessa que está cansado e vai partir para Istambul onde, a bordo do Expresso do Oriente, pretende descansar uns dias até a chegada a Paris.

Istambul, com suas mesquitas brilhando ao pôr do sol, vê chegar na estação de trem os ilustres passageiros que farão a viagem através da Europa. Eles chegam com suas valises elegantes, bem vestidos e ansiosos. Afinal, é uma viagem no trem mais luxuoso do mundo e os que podem pagar a passagem são milionários, que trazem com eles seus empregados.

Poirot observa os doze passageiros que lhe farão companhia, europeus e americanos. Passa por ele a idosa princesa russa, solene, antipática e majestática, coberta de joias e peles (Judi Dench), acompanhada por sua humilde empregada Hildegarde Schmidt (Olivia Colman); há uma jovem e bela governanta, Mary Debenham (Daisy Ridley) que parece conhecer o doutor Arbuthnot (Leslie Odom Jr) esperado em Londres para uma operação num paciente importante; destoando do grupo de convivas alinhados, emerge o professor austríaco Gerhard Hardman (Willem Dafoe); outra também diferente dos outros é a opaca religiosa Pilar Estravados (Penélope Cruz); o que não é o caso do casal russo de bailarinos, Count Andrenyi (Sergei Polunin) e sua mulher, a Condessa Andrenyi (Lucy Boynton); há também uma bela americana que faz o tipo mulher fatal, caçadora de maridos, Mrs Hubbard (Michelle Pfeiffer, ótima); além de um empresário latino, Marquez (Manuel Garcia-Rulfo) e por fim, um americano mal encarado, que se diz comerciante de arte, Ratchett (Johnny Depp, sempre um ator camaleônico), que veio com seu mordomo, Masterman (Derek Jacobi) e seu assistente, Hector Mac Queen (Josh Gad).

Um, dentre eles, será assassinado. E Poirot, de férias, terá que se curvar à evidência de que ele é que terá que liderar os interrogatórios para descobrir o culpado.

O livro publicado em 1934, escrito pela inglesa Agatha Christie (1890-1973), faz parte de uma coleção de 33 que tem o detetive belga como personagem principal, sempre vítima de brincadeiras por causa de seu sotaque e principalmente por seu excêntrico bigode. Kenneth Branagh usa o mais extraordinário jamais visto na tela do cinema ou na televisão. Ele está maravilhoso no papel e mal conseguimos ver o ator, tão impregnado que ele está do seu personagem.

A direção do próprio Branagh é ágil porém o ritmo, um tanto acelerado, que faz com que o espectador não familiarizado com a história tenha dificuldade de seguir os acontecimentos.

Há cenas belíssimas do trem visto do alto das montanhas nevadas, lá embaixo no vale. E o Orient Express foi reconstruído com capricho, destacando-se sua bela decoração “art-déco” nas luminárias e painéis de madeiras preciosas. O encontro do corpo da vítima do assassinato é visto de cima, retirados os tetos das cabines, o que dá um toque original à cena.

O final é muito bem pensado e faz homenagem a um ilustre quadro de um importante artista.

E, resolvido o misterioso crime, ficamos sabendo que Poirot é chamado às pressas para o Egito, onde houve um assassinato no Nilo. Pelo visto vamos ver Kenneth Branagh numa nova produção de “Morte no Nilo”. A outra, de 1978 tinha direção de John Guillemin e Peter Ustinov como Poirot.

Veremos.

Ler Mais