Anticristo

“Anticristo”

Direção: Lars Von Trier

Não é um filme para multidões. Porque, como tudo que sai da câmara de Lars Von Trier, tem que ser decodificado. Nesse sentido, Anticristo participa da natureza da arte conceitual contemporânea que não é para ingênuos.

Por outro lado, há uma comunicação intuitiva com a platéia, que se incomoda. Porque o filme trata, através de imagens concretas, de realidades psicológicas comuns a todos nós.

As cenas iniciais em preto e branco são oníricas, poéticas, perfeitas.Mais parecem pertencer ao mundo do faz-de-conta da propaganda.

Charlotte Gainsburg, que ganhou o premio de melhor atriz em Cannes por esse filme e Willem Dafoe são o casal que transa enquanto o filho pequeno abre a janela de seu quarto e se joga, embalado pela neve que cai, com uma expressão de prazer no rostinho.

E é aí que entram em cena os personagens enigmáticos do filme, os três mendigos: Dor, Luto e Destruição. Como bibelots colocados na mesa diante da janela que permite o vôo da criança para a morte, antecipam o horror que vai acontecer.

A mãe é internada e tratada com remédios e o pai, que é psicólogo, interrompe o tratamento e a leva para a cabana deles na floresta.

Lá, tenta lidar com a depressão da mulher através de técnicas de psicologia comportamental. Pagará caro por sua arrogância porque o caos vai surgir nessa floresta filmada em tons terrosos e escuros.

Freud morreu? O inconsciente não existe mais?

Pois é no Éden (como eles chamam essa floresta) que vão aparecer para o casal os moradores do mundo interno: os demônios que nos assombram por dentro.

A mãe desenvolveu um luto patológico, uma melancolia que tem suas raízes na psicose encoberta com a qual ela convive.

O marido ignora tudo isso.

A tese sobre a caça às bruxas na Idade Média que ela tentou escrever nessa mesma cabana no verão passado, acompanhada pelo bebê, deflagrou nela uma identificação com o mal. O que era para ser criticado com a razão torna-se possessão .As imagens de tortura que ela cola nas paredes da cabana a impressionam e fazem surgir uma culpa persecutória com raízes em suas fantasias infantis.

Melanie Klein, psicanalista que fundou a psicanálise infantil, descreveu essas fantasias nas quais a mãe-má é contraponto para a mãe boa. Na ausência dessa mãe-fada ocorrem as fantasias sádicas sobre ataques com dentes e garras à mãe-bruxa. E se enraíza em nós a culpa persecutória.

É uma descida aos infernos que acompanhamos com terror, como se fossemos crianças ouvindo os contos dos irmãos Grimm,antes de dormir com pesadelos. Os bichos-fêmea que contracenam com o casal parecem saídos das ilustrações de livros infantis do século XIX.

“É o caos”, informa a raposa que devora as próprias entranhas.

A culpa projetada no marido transforma a mulher em torturadora e assassina. As cenas de mutilação são terríveis e a morte é o destino da mulher-bruxa.

A cena final lembra o mito da expulsão do Paraiso: o homem, amparado em muletas, abandona o Éden onde ele era uma criança ingênua. E parte, ferido, para a realidade.

Acompanhado por uma multidão de mulheres silenciosas (as bruxas resgatadas de suas fogueiras?) ele se prepara para refletir sobre a vida, o amor e o ódio.

Este post tem 4 Comentários

  1. Sylvia Manzano disse:

    Eu adoro uma leitura psicanalítica de filmes, romances, poesias, música…

  2. Montserrat Bevilaqua disse:

    Eu particularmente não gostei do filme, achei que misturar realidade e fantasia da forma que foi feita não foi uma boa. Sem falar que o filme não passa nenhuma grande mensagem, a mensagem do filme: “Se seu filho morrer enquanto você trepa você pode ficar louco(a)” e o resto do filme é a loucura de um dos personagens.

    Achei pretencioso demais, fazendo várias metáforas e sem falar que aquele final ninguém entendeu!

  3. Eleonora Rosset disse:

    Sylvia querida, vc sumiu…ou esse comentário é antigo?

  4. Um filme dolorido. Ao qual ninguém dotado de mediana sensibilidade passa incógnito. Como já escreveu a Aline mais abaixo, o filme possibilita diversas leituras intertextuais. Eu detectei a óbvia dor do luto com a perda do filho, contudo, no final do filme em outros flashs, recordando o que acontecera em acessos delirantes, ela aparece com os olhos abertos, deliciando-se com o gozo sexual e observando a criança dirigir-se a janela, de onde acaba por cair, sem interromper o coito para impedir a queda do filho. Ele suspende o tratamento dela com o psiquiatra, propondo-se enquanto psicólogo a cuidar dela, afirmando que ninguém a conhece melhor do que ele. Dá-se conta do seu engano quando descobre que ela não escrevera a tese a qual se propora, quando se refugiara antes com o filho naquela cabana. Ela tem um distúrbio muito grave, que se manifestara muito antes da morte do filho, por exemplo, na forma descuidada com a qual ela cuidava do menino, de modo a colocar os sapatos trocados na criança que chorava com o desconforto e com a dor. E ela, não se importava. (Por outro lado, acusa-o, em um momento de projeção psicanalítica, logo no início do filme, de jamais ter dado atenção ao filho) Para a psicanálise, é permanente a luta entre pulsão de vida (eros) e pulsão de morte (tanatos) é a própria dinâmica do psiquismo humano. Fica clara a homenagem do diretor Trier à psicanálise, a Freud, ao deixar clara as limitações da Terapia Cognitiva Comportamental para tratar desse caso específico de psicose, onde o terapeuta se vê perdido a partir da eclosão de sintomas mais graves em sua companheira, onde a TCC não alcança a infindável complexidade da estrutura psíquica humana.

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!