As Montanhas se Separam

“As Montanhas se Separam”- “Mountains May Depart”, China, França, Japão, 2015

Direção: Jia Zhang-ke

China, 1999. É Ano Novo. Jovens dançam uma coreografia “disco” ao som de “Together” gravada pelos Pet Shop Boys (“cover” do sucesso do Village People), festejando o novo século que chegava. Sonhos com o Ocidente?

Fogos de artifício pobrinhos sobre a cidade de Fenyang (terra natal do diretor). Dragões vermelhos desfilam nas ruas. O povo aglomerado se empurra, vestidos com cores escuras e roupas simples.

Logo, vemos um trio que canta e ri no carro vermelho que pertence a Jing Sheng (Zhang Yi)), um jovem herdeiro, que leva ao lado a bela Tao (Zhao Tao, mulher do diretor, atriz maravilhosa) e um rapaz proletário Liangzi (Liang Jin Dong), que trabalha numa mina de carvão.

Claro que os dois disputam a moça. Viram inimigos. O rico, sempre com um bonito casaco de couro, ameaça o pobretão, chegando a pensar em intimidá-lo com um revólver. Não é bom caráter.

Mas ela, apesar de gostar muito de Liangzi, escolhe o outro para se casar, sem refletir sobre sua arrogância, nem seu gênio ruim.

Os dois tiram fotos para o álbum do casamento diante de uma foto da Opera de Sidney, distante paraíso. E Tao ganha um cãozinho labrador do noivo.

Quando ela leva o convite de casamento para Liangzi, recebe a notícia que ele vai embora:

“- E quando você volta?”

“- Nunca”, responde ele, jogando longe a chave de sua casa pobre.

O diretor Jia Zhang-ke, 45 anos, retratado no documentário de Walter Salles, “O Homem de Feniang” de 2015, é um dos mais célebres diretores chineses (“Toque de Pecado”, 2013). Aqui, no primeiro segmento do filme, retrata seu país na passagem para o século XXI, quando despontam novos ricos como o noivo de Tao, embora o povo vivesse ainda muito mal.

Quando passamos para a segunda parte, em 2014, Tao está separada do marido, que se tornara um milionário, com negócios prósperos em Shanghai. O filho deles, Dole (Zhao Tao), mora cm o pai que obteve a guarda e estuda num colégio internacional. Não tem nenhum contato com a mãe.

Liangzi continua trabalhando em mineração, tem mulher e filho mas leva uma vida paupérrima. Fica gravemente doente e não tem dinheiro para se tratar.

O contraste entre as duas Chinas vai ser mostrado por Zia Zhang-ke, que escreveu o roteiro do filme, além de dirigi-lo, através das duas mulheres que se encontram quando a esposa de Liangzi vai procurar Tao, rica, bem vestida, cercada de amigos iguais a ela, num casamento. A outra, pobremente trajada, espera Tao na rua e implora sua ajuda.

Quando o pai de Tao morre, ela chama o filho de 7 anos para o enterro. São dois estranhos. Ao mesmo tempo que se exaspera, ela sente tristeza por não poder conviver com ele e educá-lo. E, ainda por cima, fica sabendo que o pai vai levá-lo para viver em Melbourne na Austrália. É bem clara a dissolução dos laços familiares nessa nova China.

Na despedida, a mãe entrega as chaves de sua casa para o filho:

“- Dole, você será sempre bem vindo na sua casa!”

Mas a falta de raízes é um dos sintomas desses novos chineses que só falam inglês e esqueceram o mandarim, como acontece com o filho de Tao.

A terceira parte do filme acontece na Austrália em 2025. O filho de Tao, que agora se chama Dollar (Dong Zijian) é um garoto aparentemente de bem com a vida mas, no fundo é um perdido.

O pai, que não fala inglês, continua o mesmo. Não se dá bem com o filho.

Uma experiência afetiva com uma professora (Sylvia Chang), há muitos anos longe da China de sua Hong Kong natal, faz Dollar lembrar-se de sua mãe, sentir falta do seu amor. Sente-se um desgarrado.

A cena final, magistral, traz de volta a música do início do filme e Tao, bela apesar de envelhecida, graciosamente dança aquela antiga coreografia de 1999. A neve cai e um novo cão labrador é sua única companhia.

“As Montanhas se Separam” é um filme dramático mas também doce e nostálgico. Mostra a China como um espelho do nosso mundo. O diretor enfatiza as mudanças, que vão acontecendo, usando um diferente tamanho de tela para cada segmento. A imagem maior, filmada com a mais nova tecnologia, não é a mais feliz.

Jia Zhang-ke tem tristes presságios para o futuro da humanidade, expressados com arte nesse seu belíssimo filme. Imperdível!

 

Este post tem 4 Comentários

  1. Lacy Marques disse:

    Ficaremos muito horados se a Dra. fizer parte ou curtir a nossa pagina no facebook, qulaquer duvida a disposição.
    obrigada.

  2. Eleonora … excelente a sua sinopse. Eu gostei muito do filme, mais lento e delicado, o que causou certa ansiedade pelos comentários que ouvi no cinema após o filme. Gostaria só de acrescentar que a música, apesar de ter esse refrão de “together”, o título original é “Go West”, originalmente, sim, do Village People, da qual sou fã de carteirinha! BJs.

    • Eleonora Rosset disse:

      Leila querida,
      Que bom que vc gostou do filme e da minha resenha! O diretor é ótimo e évo primeiro filme dele mais pessoal e lírico.
      Adorei a música bem escolhida e a coreografia repetida duas vezes em circunstâncias tão diferentes. A neve caindo deu o fecho maravilhoso!
      Bjs

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!