Mignonnes

“Mignonnes””- “Cuties”, França, 2020

Direção: Maimouna Doucoré

Ao som de uma canção na voz de uma mulher, o rostinho de uma menina negra maquiada com brilhos azuis, mostra susto, tristeza, dor e lágrimas. Algo errado aconteceu mas não sabemos ainda o que pode ter sido.

A sequência volta a um passado recente onde a mesma menina, Amy (Fathia Youssouf), arruma a casa e prepara uma surpresa para a mãe. Sobre o lençol esticado com cuidado na cama dela, Amy arruma um desenho que retrata a família, cercado por flores pintadas e recortadas.

Mas, quando a mãe chega, com o bebê nas costas, nem olha para Amy e corre atrás de Ismael, o menor, que entra num dos quartos do apartamento.

“- Não estou brincando “, diz a mãe. “Ninguém pode entrar nesse quarto. Vocês vão dividir esse outro aqui. “

Entendemos que a família que veio recentemente do Senegal para Paris, é tradicional e muçulmana, e está iniciando Amy nos preceitos religiosos reservados às mulheres. E, entre eles, está o privilégio dos homens casados a ter uma segunda esposa.

E é o que Amy escuta da mãe, que, apesar de desolada, tem que preparar o quarto reservado ao novo casal e a festa de boas vindas.

Amy não esconde sua raiva à doutrinação para a aceitação das regras de obediência e pudor reservadas às mulheres. E olha com desagrado o vestido reservado para a festa.

Por acaso, vai à lavanderia do condomínio e vê uma vizinha, Angélica, que é latina, dançando ao som de uma música animada, com roupas justas e longos cabelos soltos, que ela passa a ferro para alisar ainda mais.

Sentindo-se excluída na escola, onde não conhece ninguém, fica encantada com quatro garotas que dançam no recreio, vestidas em shorts e mini saias com blusas bem curtinhas. São as “Mignonnes”, as Lindinhas.

Logo, Amy vai querer ser uma delas. E rouba o celular do primo para aprender passos e poses para se aproximar de Angélica que vai ser sua ponte para as “Mignonnes”.

Na verdade são crianças, de 11 anos e querem ser mulheres. Seduzir e ser famosas como as que aparecem nos celulares com milhares de seguidores. Vestem roupas que revelam seus corpos ainda infantis e quando dançam imitam movimentos sensuais que tem a ver com sexo mas são ingênuas e não sabem o que estão fazendo. Querem ser admiradas e amadas.

Mas para Amy que vê o pai fazer o que quer e a mãe obedecer cegamente apesar da dor que sente no coração, senão vai acabar no inferno como castigo, a liberdade daquelas meninas é o céu para ela.

O filme ganhou o prêmio de melhor realização no Festival de Sundance e, pasmem, foi considerado imoral por pessoas que queriam proibir o filme aqui no Brasil, indo atrás de grupos americanos que também se escandalizaram.

A crítica internacional gostou do filme. Na França não causou nenhum escândalo porque o público entendeu que a diretora, que também é franco-senegalesa, ao invés de querer erotizar as crianças, ao contrário, mostra o que está acontecendo e o equívoco de Amy, exagerando e confundindo a liberdade com o uso de seu corpo infantil para alcançar algo que ela ainda não compreende.

O ritual iniciático de Amy foi difícil e pode servir de exemplo. O filme alerta para um problema que não é de hoje e que faz crianças imitarem mulheres adultas, em programas de televisão em horários diurnos, com o consentimento e a aprovação dos próprios pais.

Este post tem 2 Comentários

  1. Katia Frazao disse:

    Parabéns! Como sempre lúcida e demonstrando conhecimento de culturas diferentes das nossas ! O filme é muito interessante , belo roteiro e a diretora conduz toda a questão da erotização com delicadeza ! Esperei ansiosamente p ler sua crítica ! Obrigada! Bjs

  2. Denilson Monteiro disse:

    Mais uma resenha cheia de sensibilidade e que capta bem a mensagem do filme. É uma pena o tempo em que vivemos com cada vez mais pessoas com o mesmo pensamento (falso) moralista dos anos 1950.

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!