Pequeno Segredo

“Pequeno Segredo”- Brasil, Nova Zelândia 2016

Direção: David Schurmann

É difícil falar sobre um filme que foi tão discutido e que tanto dividiu opiniões. Eu vi o trailer antes da indicação para representar o Brasil no Oscar 2017 e a primeira impressão foi a que ficou.

“Pequeno Segredo” tem lindas imagens do mar, do rio Amazonas e belos pores do sol (fotografia do peruano Inti Brionis). Noites estreladas e o encanto de uma menina loura, dançando como a  borboleta que voa sobre o mar na primeira cena.

O clima é de um conto de fadas. A relação mãe e filha (Julia Lemmertz e Mariana Goulart) coloca as duas em estado de graça. As vozes são suaves e os rostos expressivos das atrizes inspiram amor e devoção. Só existem elas no mundo.

E isso, de tal maneira, que o resto dos personagens são secundários. O pai (Marcello Antony) é figura apagada. Os pais verdadeiros de Kat, a talentosa Maria Flor e o opaco Errol Shand, filho da bruxa neozelandesa, a avó Barbara (Fionnulla Flanagan,  a única que consegue se sobressair), mais os irmãos adotivos, são pessoas que entram e saem, sem qualquer composição mais aprofundada.

E o que é o foco central da história, a vida e a morte precoce da irmã adotiva, contada pelo diretor David Schurmann, 42 anos, está impregnado de idealização.

Aos menos ingênuos ressalta a vontade de emocionar, de usar a música para que a plateia chegue às lágrimas e até mesmo a escolha dos atores com o objetivo de enfeitar a cena com rostos e palavras de ternura. Tudo em exagero.

E não precisava nada disso porque a história de Kat é suficientemente triste e comovente para as pessoas se emocionarem com naturalidade, sem precisar ser empurradas por clichês melosos.

Não li o livro do mesmo nome do filme, escrito por Heloisa, a mãe adotiva de Kat, mas dizem que é “devastador”. O que aconteceu então? Algo ocorreu na adaptação para o roteiro, escrito principalmente por Marcos Bernstein (“Central do Brasil”) e pelo diretor, que diz que quis honrar a mãe e seu gesto de adotar a menina, com o filme “Pequeno Segredo”.

Mas se o filme ganhar o Oscar porque combina com “a cabeça dos velhinhos da Academia”, como disseram alguns para justificar a escolha pela comissão do Ministério da Cultura, será um insulto tanto para os votantes do Oscar quanto para David Schurmann, que teria feito um filme para agradar pessoas conservadoras.

E além de tudo, essa justificativa não passa de um grande equívoco porque, se pensarmos no último filme premiado como melhor estrangeiro, o húngaro “Filho de Saul”, ele é um dos mais cruéis retratos da natureza humana. Nada a ver com “velhinhos conservadores”.

É uma pena porque parece que, mais uma vez, o Brasil fica fora do Oscar. Mas não custa esperar pela primeira lista dos nove escolhidos que sai no começo de janeiro…

 

Este post tem 1 Comentários

  1. Ótima resenha, apontando os problemas com o filme de maneira ponderada, livre de paixões. É uma pena que uma história que poderia resultar num ótimo filme acabe frustrando expectativas.

Deixe seu comentário

Obter uma imagen no seu comentário!