Assassinato no Expresso do Oriente

“Assassinato no Expresso do Oriente”- “Murder on the Orient Express”, Estados Unidos, Malta, 2017

Direção: Kenneth Branagh

Oferecimento Arezzo

Jerusalém, uma cidade ensolarada, de pedras antigas e sagrada, recebe o mais célebre detetive do mundo, Hercule Poirot (Kenneth Branagh, excelente) que, com sua famosa mania de perfeição e simetria, implica com os ovos quentes que são servidos de manhã em seu quarto de hotel.

Mas ele está de bom humor, porque, finalmente, Poirot está de férias.

Antes, porém, tem que atuar para solucionar um problema, pois uma relíquia preciosa foi roubada. Ele resolve o caso magistralmente, a partir de um detalhe insignificante, como aliás é a sua marca. Extremamente bom observador e dono de uma inteligência brilhante, ele é imbatível.

Porém, confessa que está cansado e vai partir para Istambul onde, a bordo do Expresso do Oriente, pretende descansar uns dias até a chegada a Paris.

Istambul, com suas mesquitas brilhando ao pôr do sol, vê chegar na estação de trem os ilustres passageiros que farão a viagem através da Europa. Eles chegam com suas valises elegantes, bem vestidos e ansiosos. Afinal, é uma viagem no trem mais luxuoso do mundo e os que podem pagar a passagem são milionários, que trazem com eles seus empregados.

Poirot observa os doze passageiros que lhe farão companhia, europeus e americanos. Passa por ele a idosa princesa russa, solene, antipática e majestática, coberta de joias e peles (Judi Dench), acompanhada por sua humilde empregada Hildegarde Schmidt (Olivia Colman); há uma jovem e bela governanta, Mary Debenham (Daisy Ridley) que parece conhecer o doutor Arbuthnot (Leslie Odom Jr) esperado em Londres para uma operação num paciente importante; destoando do grupo de convivas alinhados, emerge o professor austríaco Gerhard Hardman (Willem Dafoe); outra também diferente dos outros é a opaca religiosa Pilar Estravados (Penélope Cruz); o que não é o caso do casal russo de bailarinos, Count Andrenyi (Sergei Polunin) e sua mulher, a Condessa Andrenyi (Lucy Boynton); há também uma bela americana que faz o tipo mulher fatal, caçadora de maridos, Mrs Hubbard (Michelle Pfeiffer, ótima); além de um empresário latino, Marquez (Manuel Garcia-Rulfo) e por fim, um americano mal encarado, que se diz comerciante de arte, Ratchett (Johnny Depp, sempre um ator camaleônico), que veio com seu mordomo, Masterman (Derek Jacobi) e seu assistente, Hector Mac Queen (Josh Gad).

Um, dentre eles, será assassinado. E Poirot, de férias, terá que se curvar à evidência de que ele é que terá que liderar os interrogatórios para descobrir o culpado.

O livro publicado em 1934, escrito pela inglesa Agatha Christie (1890-1973), faz parte de uma coleção de 33 que tem o detetive belga como personagem principal, sempre vítima de brincadeiras por causa de seu sotaque e principalmente por seu excêntrico bigode. Kenneth Branagh usa o mais extraordinário jamais visto na tela do cinema ou na televisão. Ele está maravilhoso no papel e mal conseguimos ver o ator, tão impregnado que ele está do seu personagem.

A direção do próprio Branagh é ágil porém o ritmo, um tanto acelerado, que faz com que o espectador não familiarizado com a história tenha dificuldade de seguir os acontecimentos.

Há cenas belíssimas do trem visto do alto das montanhas nevadas, lá embaixo no vale. E o Orient Express foi reconstruído com capricho, destacando-se sua bela decoração “art-déco” nas luminárias e painéis de madeiras preciosas. O encontro do corpo da vítima do assassinato é visto de cima, retirados os tetos das cabines, o que dá um toque original à cena.

O final é muito bem pensado e faz homenagem a um ilustre quadro de um importante artista.

E, resolvido o misterioso crime, ficamos sabendo que Poirot é chamado às pressas para o Egito, onde houve um assassinato no Nilo. Pelo visto vamos ver Kenneth Branagh numa nova produção de “Morte no Nilo”. A outra, de 1978 tinha direção de John Guillemin e Peter Ustinov como Poirot.

Veremos.

Com Amor, Van Gogh

“Com Amor, Van Gogh”- “Loving Vincent”, Reino Unido, Polônia, 2017

Direção: Dorota Kobiela e Hugh Wetchman

Um dos pintores mais importantes da história da arte ocidental, Vincent Van Gogh, nasceu na Holanda em 1853 e morreu na França em Auvers-sur-Oise em 1890, aos 37 anos.

“Starry Night- Noite Estrelada”, talvez sua tela mais conhecida, serve de fundo para os créditos da animação dirigida pelo casal Dorota Kobiela e Hugh Wetchman. As espirais azuis e amarelas e as pinceladas espessas, nos fazem lembrar da tela na qual uma noite estrelada aparece sobre a cidadezinha de Auvers-sur-Oise, na qual Van Gogh morou no fim de sua vida, seus anos mais brilhantes, nos quais produziu 400 telas inesquecíveis.

Mas não houve glórias para o pintor. Pobre e deprimido, Vincent mal tinha dinheiro para comer. Era seu irmão mais novo, Theo, que o sustentava e comprava tintas e telas para que Vincent pudesse pintar.

A animação tem o encanto de tornar vivas as figuras dos quadros que conhecemos nas paredes dos museus. Foram mais de 100 artistas que pintaram, a mão e à óleo, os 65.000 “frames” que compuseram o filme, no estilo de Van Gogh, durante 7 anos.

O filme foi feito normalmente, com artistas reais (Douglas Booth, o filho do carteiro, Jerome Flyn, doutor Gachet, Saoirse Ronan, a filha do médico, Marguerite e Chris O’Dowd, o carteiro, para citar alguns) e depois, os artistas pintaram a mão cada “frame” do filme, com o estilo de Van Gogh e as cores vivas tão características de seus quadros.

O roteiro inspirou-se nas cartas entre os irmãos e levantam uma dúvida: Van Gogh teria mesmo se suicidado?

Um ano após a morte do pintor, o filho do carteiro, Armand Roulin, tem em suas mãos uma última carta extraviada, de Vincent para  Theo, que morreu seis meses depois do acontecido com o irmão, em Arles. Não tendo a quem entregar a carta, Roulin, que está em Auvers-sur-Oise, passa a fazer um trabalho de detetive para descobrir mais detalhes sobre o que realmente aconteceu com Van Gogh.

Para isso, interroga as pessoas que conviveram com Vincent e que foram os personagens de seus quadros.

A história em si não é o melhor do filme. Porque a emoção está em vermos recriados seus quadros mais famosos.

E a ironia é trágica. Aquele que assinou telas que hoje são leiloadas por milhões de dólares, vendeu apenas um quadro enquanto estava vivo. Foi só muito depois de sua morte que ele foi reconhecido.

Vincent Van Gogh era um ser que habitava dimensões humanas muito distantes das pessoas de seu tempo de vida.

A animação “Com amor, Van Gogh” foi premiada pelo público da 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo como melhor filme de ficção.