Kate

“Kate”- Idem, Estados Unidos, 2021

Direção: Cedric Nicolas-Troyan

Oferecimento Arezzo

Mesmo quem não gosta de filmes de ação vai se emocionar com cenas de “Kate”, porque o filme tem um toque a mais. Explico.

Ela (Mary Elizabeth Winstead), corpo perfeito, alta, longos cabelos escuros, é uma gata quando tem que pular e correr e uma serpente quando tem que atingir a vítima. Órfã, desde pequena foi treinada por V (Woody Harrelson) a usar as mais diversas armas tanto para o tiro fatal, quanto para atirar antes de qualquer outro atacante.

Mas chega um momento na vida de Kate que ela quer se aposentar. Quer outra vida. Mas promete a V que vai cumprir até o fim sua última missão.

E acontece então uma surpresa infeliz. Uma menina grita por socorro ao lado do pai morto pelo tiro certeiro de Kate.

“- Você prometeu que não haveria crianças…” diz para V.

“- Eu também não sabia. Foi um dano colateral ” responde ele.

Começa aí o fim da Kate que nunca erra o alvo e que convive com um homem frio, que pretende ser seu pai, sua mãe e seu melhor amigo. Mas o que ela é para ele? Kate descobre ser um instrumento que realiza os fins desejados por V. É muito pouco.

Ela percebe que sua carência afetiva aumenta cada vez mais e nem as transas com homens que ela encontra por aí não estão dando conta. Na noite anterior à missão final ela, num belo e simples vestido branco, seduz o barman do hotel e vão para o quarto levando a garrafa de Margaux que ela bebia.

Na manhã, dispensa o cara e só pensa no que vai ter que fazer naquela noite. “Boom Boom Lemon” seu refrigerante preferido, a ajuda a estar pronta. Ela tem coisas de criança.

À noite, nos telhados de Tóquio, sua silhueta ágil contra os edifícios iluminados com neon e projeções coloridas em suas fachadas, ela mira o alvo. Mas algo estranho acontece e ela perde a força e a visão se turva. Erra o alvo.

E quem aparece para ajudá-la é uma outra órfã, como ela. Carente e divertida. A menina Ani (Miku Patricia Martineau) vai por algumas horas ser a filha que Kate não teve e mesmo uma mãe, quando os papéis se trocam e Kate dorme apoiada em seu ombro.

Lógico que o filme encaixa essas cenas de afeto sem se esquecer do ritmo frenético das perseguições, nem dos tiros em ambientes que se estraçalham e não fica ninguém para contar a história, além de Ani, protegida por Kate.

À maneira de outras heroínas como Sigourney Weaver em “Allien”, Charlize Theron em “Atômica”, Scarlett Johansson em “Lucy” e Uma Thurman em “Kill Bill”, Kate enfrenta homens perigosos. Com uma diferença.

Kate mostra sua fragilidade, comum a todos nós. Não somos imortais.

“Kate”, dirigido pelo artista francês dos efeitos especiais, Cedric Nicolas-Troyan é um filme de ação que vai um pouco além dos outros. Tocante.

Festival de Veneza 2021 – Vencedores

Leão de Ouro de Melhor Filme: 

Happening, de Audrey Diwan

Grande Prêmio do Júri: 

The Hand of God, de Paolo Sorrentino

Melhor Diretor:

Jane Campion, por The Power of the Dog

Melhor Ator:

John Arcilla, por On The Job: The Missing 8

Melhor Atriz:

Penelope Cruz, por Madres Paralelas

Melhor Roteiro:

Maggie Gyllenhaal, por A Filha Perdida

Melhor Jovem Ator:

Filippo Scotti, por The Hand of God

Prêmio Especial do Júri:

Il Buco, de Michelangelo Frammartino

Leão do Futuro para Melhor Filme de Estreia:

Imaculat, de Monica Stan e George Chiper-Lillemark