A Livraria

“A Livraria”-“The Bookshop”, Espanha, Reino Unido, Alemanha, 2017

Direção: Isabel Coixet

Oferecimento Arezzo

Quase todos nós temos um sonho, às vezes secreto. É sempre um projeto caro ao coração. E uma coisa é preciso então. Coragem e determinação para realizá-lo. É o que vamos ver nesse filme encantador que se passa na Inglaterra no fim dos anos 50.

Florence Green (Emily Mortimer) estava viúva. O casamento fora uma época feliz em sua vida. O marido e ela se amavam e tinham os mesmos interesses. Os dois adoravam livros e ele lia toda noite para ela. Mas veio a guerra e ele se foi.

Quando decidiu mudar para uma pequena comunidade inglêsa numa ilha, resolveu realizar um velho sonho. Vai abrir ali uma livraria.

Apesar dos percalços e encrencas com o banco local, Florence consegue comprar a Velha Casa. Reparos a fazer não assustam e ela instala a livraria no térreo e vai morar no segundo andar.

Christine, uma menina ruiva e esperta, vem ajudá-la e se tornam muito próximas.

Outro habitante da ilha era o senhor Brundish (Bill Nighy, excelente), que morava numa bela casa em uma colina. Era o único que também adorava livros. Ele foi o primeiro cliente de Florence. Mas, não saia de casa, a não ser para passeios pela ilha, sempre só. Lendas sobre ele e sua misantropia e a morte da esposa na lua de mel, corriam na vila de boca em boca.

Florence também vai conhecer o General Bruno Gamart e sua esposa Violet (Patricia Clarkson) que tentarão impedir seu sonho. Cobiçavam a Velha Casa para ali instalar um centro de artes.

Acompanhamos Florence em seus passeios pela ilha e a câmera de Isabel Coixet, diretora catalã inspirada, 59 anos, faz a natureza ter um papel importante nesse filme, no qual vemos uma paleta de cores delicadas. O mar, o bosque, as nuvens, são elementos que ajudam as reflexões de Florence.

Os personagens são muito bem desenhados em suas peculiaridades, na adaptação do livro de Penelope Fitzgerald pela diretora. O detalhe aqui é tão importante quanto a cena toda que está na tela. Isabel Coixet convida o espectador a partilhar momentos de intensa humanidade, seja tanto em seus bons quanto em seus maus aspectos.

“A Livraria” é um filme para quem gosta de livros e de sentimento delicados.

Rocketman

“Rocketman”- Idem, Inglaterra, 2019

Direção: Dexter Fletcher

Uma silhueta contra a luz tem um vermelho que brilha. É Elton John (Taron Egerton) que sai fantasiado de um show com asas e chifres, finalmente procurando ajuda numa clínica de reabilitação.

Dessa forma engenhosa, o roteiro de Lee Hall nos leva a ouvir confissões do popstar sobre sua vida, seus conflitos, suas vitórias e derrotas, amores e decepções. Até então procurando alívio de suas frustações na bebida, drogas, sexo e consumismo, ele vai se despir da fantasia e reencontrar-se.

Elton John vai procurar o menino prodígio que ele foi, Reginald Dwight, que aos 11 anos ganhou uma bolsa de estudos para ter aulas de piano na Academia Real de Música.

Mas bem pequeno ainda já surpreendia a avó (Gemma Jones) e a mãe (Brice Dallas Howard) ao mostrar seu ouvido privilegiado, tocando a música que ouviam no rádio.

O talento inato daquele menino tímido para a música era um jeito de chamar atenção sobre si. Mas, na família, apenas a avó mostrava carinho por ele, que era um ser carente de amor.

Então não será em casa que ele vai encontrar esse amor que tanto procura. O pai, objeto de adoração, não ligava a mínima para esse filho. A mãe tinha outros interesses e também era fria.

Parece que toda a carreira dele foi para provar que existia para os olhos daqueles pais que souberam aproveitar do dinheiro que ele ganhou mas se mantinham afetivamente distantes.

O show em Los Angeles no Troubador foi um sucesso de crítica e de público e o projetou para o mundo. Aos 25 anos já era um milionário.

Mas a transformação de Reginald em Elton John não ocorreu de forma fácil. Conflitos existiam dentro dele e não eram verbalizados. A timidez o levava para o fundo do palco mas seu talento o empurrava para a glória dos estádios cheios de fãs cantando e dançando com ele. Talvez quem mais o conheceu foi o amigo Bernie Taupin (Jamie Bell), parceiro nas letras das músicas de sucesso.

Pode ser que as roupas extravagantes, os óculos carnavalescos, as botas e as cores psicodélicas no palco fossem purpurina que ele jogava nos olhos do público para que não enxergassem o menino frustrado e carente que existia dentro dele. Um mal amado até por si mesmo.

E apesar de todos os conflitos e frustrações que o levaram à beira da morte, presa de seus impulsos autodestrutivos, havia ali um menino que só pedia que o amassem e confirmassem que ele era talentoso e bom.  A cena desse reencontro consigo mesmo é bela e comovente.

O filme é uma fantasia musical que mistura ficção e realidade. As canções que todo mundo conhece são apresentadas de maneira bem trabalhada nos cenários, luzes, ângulos, figurinos e coreografia. Destaque para o momento em que Elton John e seu público levitam.

Taron Egerton é um assombro. O ator galês, 29 anos, conseguiu mimetizar os gestos e o jeito de Elton John de forma surpreendente. Não dublou. Ele é quem canta.

No mais, o diretor Dexter Fletcher (que substituiu Bryan Singer em “Bohemian Rhapsody”) soltou-se mais e dirigiu cenas que vão ficar nos olhos da gente por muito tempo.

O elenco é ótimo desde o melhor amigo Bernie até o calculista John Reid ( Richard Malden) que foi o primeiro amor e empresário de Elton John por 28 anos.

Muitos prêmios certamente virão para o filme, produzido pelo próprio Elton John, que foi ovacionado no Festival de Cannes onde estreou.

Um delírio.