Ad Astra – Rumo às Estrelas

“Ad Astra – Rumo às Estrelas”- “Ad Astra”, Estados Unidos, 2019

Direção: James Gray

Oferecimento Arezzo

Tudo se passa num futuro mais ou menos próximo. Na tela luzes vermelhas, amarelas e verdes e um perfil etéreo e sombrio.

Brad Pitt é Roy McBride, major, engenheiro espacial, que fala em “off”, para si mesmo, que sempre quis ser astronauta. Passa por uma investigação de sua estabilidade mental. Está calmo, pulso normal. Diz para si mesmo que não vai pensar em coisas importantes. Precisa focar somente no que é o mais importante.

Está na Estação Espacial e aparece escalando uma torre enorme, quando percebe os efeitos de uma sobrecarga no sistema, que causa explosões.

Atingido, ele rola no espaço. Abre o paraquedas. Mas cai muito rápido. Pessoas correm para ajudá-lo.

Roy está num quarto escuro e se lembra de algo:

“- Tenho um lado destrutivo, é o que ela dizia…”  Quem é essa mulher?

Ele é convocado para uma reunião, aparentemente por causa do acidente:

“- Vai ser um choque para você. Mas seu pai pode estar vivo em Netuno. Já faz muito tempo que ele desapareceu. Mas agora, essa sobrecarga pode indicar que pode ser ele que a causa com a antimatéria que era o combustível da nave dele na Operação Lima. ”

E para investigar essa hipótese ele é mandado para a Lua, num voo comercial, para não despertar curiosidade. Sua missão é ir para Marte e depois Netuno, para procurar o pai, que acreditara poder descobrir vida inteligente fora da Terra.

Num “tablet” ele revê o pai apostando nisso, em Netuno:

“ – Fico pasmo ao sentir a presença de Deus tão próximo… Adeus filho! ” São palavras estranhas.

Parece que a mente de Roy está sendo sondada como tinha sido o universo por seu pai. Aos militares ele informa que está inteiramente envolvido no seu ofício. Diz que renunciou à família para poder estar preparado para a solidão no espaço.

Mas esses ataques de “sobrecarga” que o pai enviaria para a destruição da Terra não combina com o que estamos presenciando. Afinal o pai de Roy não era um herói?

Mas as imagens na tela são maravilhosas e originais. E os “closes” no rosto de Brad Pitt são intensos e longos.

Será que essa história toda deve ser lida ao pé da letra? Ou estamos às voltas com um conflito interno e sondando as profundezas da mente de Roy? O certo é que há mesmo um problema dele com esse pai. Herói ou inimigo? O universo e seus mistérios se fundem no filme com os conflitos e sua profundidade na mente infantil de Roy que acha que o pai o abandonou.

Mas não importa qual seja a interpretação de cada um para a motivação de tantas aventuras. O que importa é ver o filme em sua grandiosidade, imagens criativas de solidão, cenários onde se movem inimigos sem rosto e confrontos de um homem com sua parte animal.

James Gray, numa direção impecável e Hoyte Van Hoytema, talentoso diretor de fotografia, fizeram um trabalho primoroso, produzido pelo brasileiro Rodrigo Teixeira.

Brad Pitt cria um personagem atraente em seus diálogos consigo mesmo e encontros com o desconhecido que o habita. Principalmente nos “closes” lemos em seu rosto expressivo os conflitos de um ser humano que sofre. Ele vai ter que afundar para poder submergir.

Liv Tyler faz o papel da mulher dele, sempre distante mas esperando por ele. Tommy Lee Jones, um ótimo ator, é o pai de Roy, um fantasma atormentado.

“Ad Astra” mostra uma viagem que pode ser para fora da Terra ou para dentro de si mesmo. Entretanto, de qualquer maneira que se compreenda o filme, vale a pena ir junto com Roy/ Brad Pitt nessa viagem surpreendente.

Alma Imoral

“Alma Imoral”- Brasil, 2019

Direção: Silvio Tendler

Um mar tranquilo cor de prata é o cenário que abre o documentário que é uma adaptação do livro do rabino Nilton Bonder, “A Alma Imoral”.

A peça teatral, adaptada e interpretada por Clarice Niskier, fez muito sucesso e também inspirou o diretor Silvio Tendeler nesse documentário que pode, num primeiro momento, parecer ser filosófico demais para o público que vai ao cinema.

Espere um pouco. Relaxe. Ouça as palavras que são ditas pelo rabino enquanto a imagem mostra ele se preparando para as orações da manhã:

“Há um olhar que sabe discernir o certo e o errado.

Há um olhar que reconhece os curtos caminhos longos e os longos caminhos curtos.

Há um olhar que desnuda, que não hesita em afirmar que existem fidelidades perversas e traições de grande lealdade.

Este é o olhar da alma.”

Com essa introdução, Nilton Bonder quer fazer o elogio da transgressão que amplia fronteiras. Diz ele:

“São as almas imorais que expandem a nossa consciência.”

Nos capítulos em que se divide o documentário serão explorados os mais diversos assuntos, vividos por pessoas guiada pela desobediência. Por que? Porque o interesse do corpo é sempre a preservação. A lei é do corpo. Enquanto que a alma não precisa seguir o corpo moral. Daí ser chamada aqui de alma imoral. É ela que nos impulsiona na necessidade de evolução.

Assim, desfilam perante a câmara de Silvio Tendler vários personagens: “Akiva, The Believer”, um rabino que toca o tambor, procurando a batida de Deus; Franz Krajberg, que já nos deixou, emociona quando fala que se interessa pela “saúde do planeta”: “Pego restos de queimadas para fazer esculturas que gritam”; Steven Greenberg, o primeiro rabino assumidamente gay, fala da tolerância; Uri Avnery defende a Solução dos Dois Estados em Israel e Palestina; Etgar Keret, escritor e cineasta, é a maior voz de sua geração e tem muito a dizer; Natali Cohen, artista anarquista, compõe monólogos muitas vezes proibidos; Michael Lerner é rabino e editor da revista “Tikkum” que não é uma unanimidade entre os judeus; Jack Gabriel traz o tema da doação de esperma; Rebbeca Goldstein, escritora e filósofa é admiradora de Spinoza; Eva Jablonka, é geneticista, e acredita que “adivinhações inteligentes criaram os seres vivos do planeta”; Lama Michel Rinpoche, é monge budista e nasceu judeu; Noam Chomsky, nome famoso, é crítico das religiões e da política de Israel; Sari Nusseibeh, fala da cidade na qual nasceu, Jerusalem, onde sua  família guarda as chaves da região das mesquitas; os Combatentes da Paz, soldados palestinos e israelenses são parceiros contra a violência entre os dois povos e contam histórias emocionantes; Arkadi Zaides, é coreógrafo; Yscar Smith conta sobre sua  transição de gênero; Mira Awad, cantora, se intitula palestina e israelense, e tem fãs dos dois lados do muro.

Como viram, uma lista de pessoas muito interessantes com entrevistas estimulantes,

E a Companhia de Dança de Deborah Colker aparece em várias intervenções, atraindo nosso olhar a cada passo.

“Alma Imoral” é instigante e inteligente.