Dois Papas

“Dois Papas”- “Two Popes”, Reino Unido, Itália, Argentina, Estados Unidos, 2018

Direção: Fernando Meirelles

Oferecimento Arezzo

Ao ouvir no telefone que o nome da pessoa que queria comprar uma passagem aérea era Jorge Bergoglio, a atendente pergunta:

“- Como o Papa? ”

A voz masculina murmura algo e quando é questionado sobre o endereço e responde meio sem jeito, “Cidade do Vaticano ”, a atendente irritada desliga na cara dele, certa de que era uma brincadeira de um desocupado.

Ninguém imaginaria que um Papa faria reservas em seu próprio nome. Mas o Papa Francisco não aceita as regras estipuladas e costuma fazer tudo do seu jeito.

O filme volta no tempo a 2005 e o vemos num bairro pobre de Buenos Aires falando para o povo numa linguagem simples e ajudando a preparar refeições para uma festa popular.

É então que ele fica sabendo que o Papa João Paulo II morreu. O cardeal Bergoglio tem que ir para Roma e participar do conclave que vai eleger o próximo Papa.

Da simplicidade colorida da periferia de Buenos Aires, passamos para a majestade do Vaticano. Mármores preciosos e afrescos magníficos, vestes de seda e veludo, correntes de ouro e chapéus vermelhos.

A praça está repleta para ver passar o esquife do Papa polonês sendo levado para a cripta da Basílica de São Pedro, depois de um pontificado de 26 anos.

Quando começa o conclave, as imagens são belas e tudo é organizado nos mínimos detalhes. O povo na praça espera o sinal da fumaça. A cada votação, os votos incinerados soltam fumaça negra enquanto não é conseguida a maioria necessária para a eleição do novo Papa, que é a mensagem da fumaça branca. “Habemus Papam”.

O cardeal alemão Joseph Ratzinger, agora Bento XVI, assoma ao balcão e saúda o povo. Bergoglio suspira aliviado. Fora o segundo colocado mas nas conversas entre os cardeais, dizia sempre que não queria ser Papa.

Na volta a Buenos Aires ele reassume suas funções e cada vez mais é visto como um homem de grande simpatia, que sabe falar com o povo, que entende como são os problemas que vivemos e que acredita que a Igreja deve estar presente não só no campo religioso, mas na vida das pessoas e proteger os mais pobres e frágeis.

Decidido a aposentar-se mais cedo, antes dos 75 anos exigidos, escreve ao Papa. Precisa da anuência papal. Mas como não recebe resposta, compra uma passagem para Roma. Estranhamente, ele recebe uma carta pedindo que venha a um encontro com Bento XVI.

Tudo isso é fato real. E o encontro dos dois também aconteceu. Mas o que falaram, ninguém ouviu.

Anthony McCarten (“A Hora Mais Escura”, “Bohemian Rhapsody”), que escreveu o roteiro e Fernando Meirelles, diretor (“Cidade de Deus”), conseguiram criar conversações que combinam com o que sabemos sobre os dois. São o ponto alto do filme porque através delas ficamos conhecendo as posições que os separam. Um é muito diferente do outro.

Bergoglio convencido que nada é estático e confessando que suas opiniões sobre a vida e a Igreja mudaram com o passar dos anos. Bento XVI austero, intelectual, conservador, diz que não gosta de nada do que o outro diz e faz. Mas não assina a aposentadoria que o outro tanto quer.

Uma frase do Papa Bento XVI é interessante e talvez explique o encontro imaginado por ele:

“- Dizem que o novo Papa vem para consertar os erros do anterior…”

E Bento XVI vivendo um período extremamente difícil, com acusações sérias que talvez o envolvam, aos 85 anos, diz que vai renunciar ao cargo de sucessor de São Pedro, para grande espanto e horror de Bergoglio.

Os dois atores estão fantásticos. Anthony Hopkins sempre convence nos papéis que representa. Mas é incrível como seu olhar se parece com o de Bento XVI. Já Jonathan Pryce tem aparecido pouco na tela. Aqui ele está assustadoramente perfeito. Emociona. E nunca é demais naquilo que aponta para Bento XVI. Convincente e oportuno.

Confissões de atos que pedem perdão e misericórdia vão acontecer ente os dois e ensinar que ninguém é perfeito, que todos somos humanos e sujeitos a erros.

Esta é a grande mensagem do filme de Meirelles. Os diferentes podem e devem se entender pelo bem maior.

“Dois Papas” recebeu quatro indicações para o Globo de Ouro: melhor filme (drama), melhor ator Jonathan Pryce (drama), melhor ator coadjuvante Anthony Hopkins, melhor roteiro Anthony McCarten.

As Golpistas

“As Golpistas” – “Hustlers”, Estados Unidos, 2019

Direção: Lorene Scafaria

Publicada na revista “New York Magazine” em 2015, uma reportagem escrita por Jessica Presley fez sucesso e foi adaptada por Lorene Scafaria para o filme que ela produziu e dirigiu e que conta uma história incrível.

”As Golpistas” vai ser o relato em flashback à repórter (Julia Stiles) das memórias de Destiny (Constance Wu). Ela consegue ser escolhida para dançar e entreter homens num Clube especializado. Só que ela é novata, inexperiente e inibida. E fica fascinada quando vê a belíssima Ramona (Jennifer Lopez) fazer a “pole dance” mostrando seu corpo perfeito. O palco fica forrado de dólares que os homens à volta jogam sobre ela. Os mais afoitos introduzem as notas no string que a despe mais que veste.

Dorothy, o nome real de Destiny, uma bonita garota asiática, pequena e muito jovem, vive com a avó e precisa de dinheiro para pagar a casa dela. O que ela ganha é pouco depois dos descontos que o Clube cobra. Ela decide então, naquela noite, ir atrás de Ramona que estava no terraço no alto do prédio. Vai pedir que ela ensine como fazer o que ela faz com tanto carisma.

E essa cena, na noite fria, com Ramona fumando, vestindo um belo casaco de lince, sela o destino de Dorothy. A mais velha acolhe a jovem, aconchegando a garota dentro das peles que veste. Mais maternal que sensual, esse sentimento é a tônica entre as duas que se tornam melhores amigas.

Ramona ensina os movimentos da “pole dance” e também como fazer a “lap dance” quando a garota senta no colo do homem e o estimula com movimentos lentos e corpo arqueado. As duas também enlouquecem os homens atrás da cortina do íntimo “champagne room”.

Mas, em 2008, um ano depois, explode a crise econômica e o Clube sente as consequências. Os ricos corretores de Wall Street começam a desaparecer. O Clube está sem clientes.

É nesse momento que Ramona tem a ideia do golpe que vão aplicar nos seus clientes ricos que sobraram. Reúne Destiny e duas outras garotas para que juntas, armem uma vingança contra esses homens em bares diferentes. Cada uma delas leva o cliente para beber e quando as “irmãs” chegam, colocam droga na bebida dele fingindo que bebem também. Então “limpam” o cartão de crédito dos desavisados corretores.

Claro que era ilegal e criminoso o que faziam mas, como aqueles homens também haviam enganado as pessoas para tirar o dinheiro delas e não tinham sido punidos, essa vingança era até merecida. Ladrão que rouba ladrão…

As roupas ultra sexies que as moças usam no palco, uma iluminação que realça a beleza de seus corpos e depois, elas chegando no bar para dar o golpe em saltos altíssimos, vestidas para “matar”, tudo isso cria um clima de fascínio em torno a essas mulheres. São cenas atraentes e bem filmadas.

Assim, o filme “As Golpistas” é totalmente feminino e mostra mulheres poderosas e seduzidas não por sexo, casamento ou mesmo maternidade, mas em primeiro lugar pelo dinheiro.

“Somos uma família”, diz Ramona, “mas com dinheiro. ” E acrescenta: “O país todo é um clube de strippers. Uns tem o dinheiro e os outros dançam”, diz Ramona.

Jennifer Lopez foi indicada a melhor atriz coadjuvante no Globo de Ouro.