A Voz do Empoderamento

“A Voz do Empoderamento”- “Gangubai Kathianadi”, Índia, 2022

Direção: Sanjay Leela Bhansali

Oferecimento Arezzo

Ser artista de cinema em Bollywood era o sonho de uma menina que morava numa aldeia longínqua na Índia. E como ir a Mumbai, o centro de produção de filmes que todos os indianos adoravam? Impossível.

Ganga era bonita, sabia dançar e cantar mas seu desejo parecia muito difícil de se tornar realidade. Por isso ela quase caiu das nuvens quando um namoradinho a convidou para visitar a cidade de seus sonhos.

Ganga ficou com o coração apertado mas fugiu com o rapaz, deixando a família que ela amava. Tinha 16 anos.

Mal sabia ela que iria passar por um pesadelo. Para seu horror, o rapaz a vende para um bordel de Kamathipura, onde ela fica trancada num quarto sem janelas, sem  nada do que estava acostumada, semelhante a uma solitária de um prisão.

Gana chora, grita desesperada, mas ninguém vem libertá-la. Depois de vários dias, a vemos caída no chão sem forças para lutar por sua liberdade.

Assim, depois de muito penar e com a moral baixíssima, ela se torna uma profissional do sexo e muda seu nome para Gangubai.

Mas a menina possuía uma força que nunca usara. E, quando começa a observar as injustiças a que eram submetidas, tanto ela quanto suas companheiras de infortúnio, ela começa uma luta que será seu objetivo na vida. Gangubai vai se tornar uma líder do movimento em prol dos direitos humanos das prostitutas.

Ela vai ser duramente castigada por essa posição assumida mas não vai desanimar da luta que tinha escolhido.

O filme é extremamente bem cuidado na produção de arte que recria a “zona da luz vermelha” de Mumbai dos anos 60 e 70. Há capricho na decoração dos interiores, objetos, figurinos e exteriores, as ruas de Kamathipura, por onde passavam fornecedores de tudo para os bordéis e os que procuravam por sexo.

Tradicionalmente importantes no cinema indiano, o canto e a dança são lindamente executados e a bela Ali Batt, a Gangubai, brilha no palco e inunda a tela de graça e harmonia.

O filme, dirigido pelo admirado diretor Sanjay Leela Bhansali, foi adaptado de um livro escrito por Hussein Zaidi, “Mafia Queens of Mumbai”, que conta a vida de Gangubai, que se tornou dona de vários bordéis nos anos 60 quando o tráfico de mulheres e o crime organizado dominavam a vida de 4.000 prostitutas.

Gangubai, mulher forte e amada por todas que ela acolhia e defendia, já que eram consideradas fora da lei, entrou na política para continuar sua luta.

Toda de branco vestida, Gangubai propagava a pureza de quem tanto fez por aquelas mulheres esquecidas.

“A Voz do Empoderamento” é um filme que conta a história de uma mulher de coragem excepcional, movida pelo amor e compaixão.

O que Sophia Loren faria?

“O que Sophia Loren faria? “- “What Would Sophia Loren do ? ”, Estados Unidos, 2021

Direção: Ross Kaufman

Esse documentário da NETFLIX é uma deliciosa surpresa. O título aguça a curiosidade e passamos os próximos 32 minutos na companhia de uma senhora ítalo-americana, Nancy Kulik, 82 anos, que conta histórias de sua vida. Ela tem 4 filhos, só uma menina, Regina.

“- Um presente de Deus na minha vida!”

E passam filminhos caseiros coloridos de três meninos e uma bonequinha, a irmãzinha. Festinhas, praia, piscina do clube. E Nancy conta que não ficou em casa cozinhando. Trabalhou com educação até aposentar-se.

E por fim começamos a entender a Sophia Loren do título, quando Nancy mostra sua admiração pela atriz. Entram filmes de toda a carreira dela, muito bem escolhidos. Nancy, que adorava filmes italianos, não perdia nenhum da sua “musa”. E como vemos na tela, tudo em Sophia era mesmo muito pessoal. Ela tinha uma beleza especial, sabia valorizar-se e a câmera gostava de seu modo de andar, olhar e aquele sorriso aberto e a energia que emanava daquela mulher.

Para Nancy, Sophia Loren era inteligente tanto na vida profissional quanto na pessoal e suas escolhas foram sempre o produto dessa sabedoria da atriz.

Na tela, entre outras, aparece a cena do strip-tease de “Ontem, hoje e amanhã” (1963) que ficou tão famosa e, maliciosa, Nancy conta que replicou essa cena para o marido.

Essa inspiração acompanhou a vida de Nancy a ponto de perguntar-se quando havia uma séria dúvida:

“- Mas o que Sophia Loren faria?”

O final é maravilhoso e uma surpresa genial.

Não percam!