O Jantar

“O Jantar”- “The Dinner”, Estados Unidos, 2017

Direção: Oren Moverman

Oferecimento Arezzo

Numa miscelânea de imagens, que mais tarde vamos entender, pratos sofisticados são preparados, uma bola voa, um saguão de mármore é iluminado por castiçais com velas, um antigo cemitério é mostrado, estátuas remetem a personagens heroicos.

Depois, um rap invade nossos ouvidos e jovens estão numa festa, se divertindo com bebida, drogas e risadas. Três deles saem pela noite e o negro vomita.

Paul Lohman (Steve Coogan) quarenta e tantos, faz um monólogo que ouvimos em “off” sobre gregos antigos e romanos, a idade de ouro de nossa civilização para ele, que é professor de História do ensino médio e fala sozinho para jovens entediados. Personagem com uma forte misantropia, em seu discurso não esconde uma depressão raivosa. Soa como se tivesse perdido todas as batalhas de sua vida.

“- Não vou. Não quero ver essas pessoas. Esses vermes, macacos. Vamos cancelar ”, diz ele para sua mulher (Laura Linney) que continua a se maquiar e não o leva em consideração.

Toda essa negatividade é dirigida ao irmão de Paul, o bonitão e bem sucedido Stan (Richard Gere), que é deputado, em plena campanha para governador. Ele é casado com Kately (Rebecca Hall), sua segunda mulher, uma esposa troféu, nas próprias palavras dela.

Os dois casais vão jantar num restaurante cinco estrelas, caríssimo e pomposo. Numa casa enorme, várias salas recebem clientes elegantes com um batalhão de garçons e um “maitre” que discorre sobre a comida com um linguajar pedante que exulta os produtos diminutos nos pratos, onde quase tudo é decorativo.

Paul e Claire são os primeiros a chegar e, em meio às reclamações do irmão menos dotado, que a mulher trata como se fosse uma criança, chega Stan, o mais velho. Kate senta-se mas o marido dela cumprimenta várias pessoas, em ritmo de campanha política.

“- Irmão, pensei que não ia conseguir atravessar a sala. Pronto. Pode parar de sorrir. Somos só nós aqui ”, diz Paul irônico, quando Stan chega finalmente à mesa.

Em vários “flashbacks” vamos entendendo o relacionamento entre esses dois irmãos, diferentes em tudo, até no carinho da mãe quando eram crianças. Paul parece ter herdado um traço de instabilidade mental, presente na família. Está sempre armado e raivoso. Stan tenta conciliar os ânimos exaltados mas levanta muitas vezes da mesa para atender o telefone e confabular com sua assistente (Adepero Oduye). Esse vai e vem deixa todos nervosos.

Mas por que tinham ido jantar juntos?

O casal Claire/Paul tem um filho adolescente Mike (Jesse Dean Peterson) e Stan/Kate tem Ricky (Seamus Davey-Fitzpatrick) e Beau (Miles J. Harvey), uma criança negra, que tinha sido adotado pela primeira mulher de Stan, Barbara (Chloe Sevigny), que se mudara para a Índia.

Os primos de 16 anos eram aqueles que vimos saindo da festa e eles vão se meter numa encrenca trágica, que é o motivo daquele jantar. Mas demora para que os pais tenham espaço para falar sobre os filhos.

O diretor e roteirista israelense, radicado nos Estados Unidos, Oren Moverman, adaptou o livro best-seller do holandês Herman Kock, mostrando que gosta de deslindar a complexidade da natureza humana. A fotografia caprichada é de Bobby Bukowski que usa o cenário do restaurante para aludir às sombras da mente que vamos ver surgir durante aquela noite.

O elenco é de estrelas e as interpretações são preciosas. O texto tem diálogos inteligentes que mostram claramente que cada adulto naquele jantar só pensa em si mesmo.

Narcisismo, famílias disfuncionais, racismo, poder do dinheiro, horror ao diferente, maldade, educação baseada em superproteção, tudo isso virá à tona.

E como não há julgamento nenhum no roteiro, a reflexão é do espectador. Que vai para casa tendo que pensar sobre o lado podre da nossa civilização.

“O Jantar” é um filme que não tem medo de ser indigesto.

De vez em quando é salutar pensar em ética. Concordam?

Uma Mulher Fantástica

“Uma Mulher Fantástica”- “Uma Mujer Fantástica”, Chile, Espanha, Alemanha, Estados Unidos, 2017

Direção: Sebástian Lelio

O que as Cataratas do Iguaçu tem a ver com aquele homem na sauna, beirando os 60 anos, cabelos grisalhos e óculos? Ele é charmoso (Francisco Reyes).

O vemos num bar, onde canta uma moça atraente, de vestido preto de bolinhas brancas, cinto e colar vermelhos. Parece que ela canta para ele. Ela é bem mais jovem.

Depois vemos o casal num restaurante chinês. É o aniversário dela e os garçons chineses cantam frente a um bolo com velas. Ele passa um envelope para ela abrir.

“- Vale duas passagens para as Cataratas. O que é isso?”

E ela se levanta e vem beijá-lo. Ele retribui o carinho e explica que não sabe onde perdeu as passagens, por isso o vale. Partem em 10 dias. É o presente de aniversário dela.

A comemoração continua na boate onde dançam agarradinhos. E depois a transa apaixonada em casa.

Mas ele passa mal no meio da noite e ela corre com ele para um hospital. Onde tudo acaba. Um aneurisma.

Assim termina o romance de Orlando Onetto e Marina Vidal, que chora escondida no banheiro.

E há algo estranho no jeito do médico que deu a notícia e pede o documento dela, olhando-a de alto a baixo.

Ela liga para o irmão de Orlando e dá a notícia. Alguém tem que vir ao hospital. E ela sai correndo pelas ruas desertas de Santiago, até que um carro de polícia a leva de volta ao hospital. Do que ela tem medo?

Outro policial pede novamente seus documentos no hospital e diz:

“- Enquanto não mudar, seu nome é esse ”, diz severo.

“- Esta situação está em trânsito…”, responde ela sem jeito.

Chega o irmão do morto que a olha com curiosidade:

“- Você é Marina? Sou Gabo, irmão do Orlando. Cuido de tudo. ”

O policial devolve o documento dela e pede o telefone. Há um desconforto geral.

Sebástian Lelio, 43 anos, chileno, diretor do premiado “Gloria”, faz o espectador se intrigar, se surpreender e, por fim, sentir na própria pele o que Marina Vidal, uma mulher transgênero, tem que passar por querer viver o luto e participar dos rituais fúnebres de seu companheiro.

Abrindo um parênteses, lembro que uma pessoa transgênero é alguém que nasceu com um gênero (masculino ou feminino) com o qual não se identifica e então passa a se vestir como prefere ser e busca hormônios e cirurgia. É uma questão que se refere à identidade da pessoa.

Preconceitos contra Marina Vidal? De todos os lados.

A família de Orlando não entende por que ele se separou da mulher (Aline Kuppeheim) para ficar com Marina. A ex dirige-se a ela como se fosse uma prostituta e uma “anormal”:

“- Quando te vejo não sei o que você é. Aliás você é uma Quimera”, referindo-se ao ser mitológico feito de partes de vários animais.

O roteiro do próprio diretor e Gonzalo Maza, ganhou o Urso de Prata em Berlim. Faz uso de cenas da vida real para explicar como se sente Marina, ora duplicada nos espelhos e vidros de vitrines, ora usando de metáforas, como quando ela luta contra um vento tão forte que ela não consegue sair do mesmo lugar, ora vendo seu amado Orlando, parecendo que ele a espera para o adeus final, o que lhe é negado pela família dele.

O fotógrafo Benjamin Echazarreta faz muitos “closes” de Marina, que algumas vezes olha direto para a câmara, para expressar diretamente para a plateia toda a determinação que a move, apesar das humilhações pelas quais passa.

Daniela Vega é uma atriz excepcional e passa uma verdade, que ela mesma deve ter vivido, sendo ela também transgênero, à sua personagem: feminina, gostando de ser mulher, apesar de todos os pesares.

Ao final, de veludo negro, com a bela voz da atriz, Marina Vidal canta no palco de um teatro “Sposa son disprezzata -Sou esposa e desprezada”, ária atribuída a Vivaldi mas que na verdade foi composta por outro músico barroco, Giacomelli. Outro equívoco aproveitado com ironia. E, finalmente, o rosto de Marina mostra toda sua beleza e verdade.

“Uma Mulher Fantástica” é um filme delicado e sofisticado que trata com empatia um assunto contemporâneo, sem vulgaridade.